Processo de Mochação de Bezerros Leiteiros

Introdução

O processo de mochação de bezerros leiteiros é uma prática comum nas fazendas em todo o país. Consiste em remover as células queratogênicas produtoras de chifres em bezerros com menos de dois meses, evitando que os brotos dos chifres se fundam ao crânio. Neste texto, abordaremos a utilização da pasta cáustica para mochação, destacando os principais cuidados, a importância do uso de medicações analgésicas e anestésicas, bem como a aplicação correta da pasta para evitar problemas às bezerras.

Mochação para segurança e eficiência no manejo de bezerros

Animais adultos com chifres podem oferecer riscos à segurança dos colaboradores da fazenda, além de dificultar o manejo e aumentar agressões dentro do grupo. Por isso, a prática de mochação visa facilitar o manejo dos bovinos na fase adulta, evitando o desenvolvimento de chifres. Além disso, animais com chifres desenvolvidos têm seu valor comercial reduzido, o que não é de interesse do produtor.

Técnicas de mochação

No Brasil, a técnica mais comum de mochação é a realizada com ferro candente. No entanto, existem outras técnicas, como o uso de pastas cáusticas e o método de abscisão. Todas as formas de mochação, quando não realizadas adequadamente, podem causar dor significativa aos animais, afetando diretamente o bem-estar e a produtividade.

Impactos da mochação inadequada

A dor causada pelo procedimento de mochação pode levar à queda de imunidade, diminuição do apetite e da produtividade, impactando de forma negativa no sistema de produção a curto e longo prazo.

Patrocinadores

Importância do uso de anti-inflamatórios após a mochação

Para diminuir a dor aguda do procedimento, é essencial o uso de práticas de analgesia ou anestesia. O uso de anti-inflamatórios após a mochação é fundamental para garantir o bem-estar dos animais.

Obrigatoriedade da anestesia local

De acordo com o Conselho Federal de Medicina Veterinária, a anestesia local se tornou obrigatória após a mochação, visando garantir o bem-estar e facilitar o manejo dos animais.

Como realizar a mochação com a pasta cáustica?

A mochação com pasta cáustica é um procedimento que requer medicação prévia, tosa dos pelos locais e aplicação cuidadosa da pasta sobre o botão cornual. Alguns cuidados importantes devem ser tomados, como utilizar medicamentos para controle da dor, não aplicar muita pasta e manter a pasta seca.

Conclusão

Os cuidados com as boas práticas na criação de bezerros são essenciais e valorizam o produto final. Adotar técnicas adequadas de mochação, com o uso de medicações apropriadas, é fundamental para garantir o bem-estar dos animais.

Patrocinadores

O processo de mochação de bezerros leiteiros é muito comum nas fazendas em todas as regiões do país. Essa prática compreende-se em remover as células queratogênicas produtoras de chifres em bezerros, com idade inferior a dois meses, sendo que, nessa fase os brotos dos chifres ainda não se fundiram ao crânio.

Nesse texto iremos tratar sobre a utilização da pasta cáustica para mochação, evidenciando os principais cuidados a serem tomadas, a importância da utilização de medicações analgésicas e anestésicas e também a forma correta de aplicação da pasta a fim de evitar causar problemas às bezerras

Mochação para segurança e eficiência no manejo de bezerros

Os animais na fase adulta com a presença de cornos, podem oferecer risco à segurança dos colaboradores da fazenda, dificultar o manejo e aumentar agressões dentro do grupo. Com isso, a prática de mochação foi criada com a finalidade de facilitar o manejo dos bovinos na fase adulta, visto que os chifres desses animais não chegarão a se desenvolver.

Além disso, os animais que têm a presença de cornos desenvolvidos na fase adulta, podem ter seu valor comercial reduzido, o que não é de interesse do produtor.

Patrocinadores
Estrutura anatômica de localização dos chifres em bovinos
Estrutura anatômica de localização dos chifres em bovinos

Estrutura anatômica de localização dos chifres em bovinos. Fonte: Cartilha online – Criação sustentável de bovinos leiteiros.

Banner Curso Gestão na Pecuária Leiteira
Banner Curso Gestão na Pecuária Leiteira

Técnicas de mochação

A técnica mais comum no Brasil é a mochação com uso de ferro candente, ou ferro quente, como mais conhecido. Além dessa técnica, temos a mochação realizada com o uso de pastas cáusticas e o método de abscisão, o qual se refere ao procedimento cirúrgico de retirada dos cornos.

Todas as formas citadas anteriormente, quando não realizadas adequadamente, ou seja, sem o uso de medicamentos, causam significativa dor aos animais, o que afeta diretamente o bem-estar dos mesmos.

Impactos da mochação inadequada

Sabemos que a dor provoca danos ao desenvolvimento do animal, e destes podemos citar:

Patrocinadores
  • Queda de imunidade;
  • Diminuição de apetite;
  • Diminuição da produtividade;
  • Impactam de forma negativa no sistema de produção em curto e longo prazo.

Importância do uso de anti-inflamatórios após a mochação

A fim de diminuir a dor aguda que o procedimento de mochação ou descorna pode causar ao animal, se torna essencial a utilização de práticas de analgesia ou anestesia, onde as drogas mais comuns de serem utilizadas pertencem a três classes:

  1. Anti-inflamatórios;
  2. Opióides;
  3. Anestésicos locais.

É importante destacar que o uso de anti-inflamatórios tem a função de supressão de componentes do processo inflamatório, sendo também a principal ferramenta de tratamento da dor.

Após o procedimento de mochação é necessário que seja utilizado anti-inflamatórios que possuam ação analgésica, pois somente os anestésicos locais não são suficientes para garantir a redução da dor após a mochação.

A decisão de usar anti-inflamatório deve levar em consideração o bem-estar dos animais e também seguir as melhores práticas de manejo.

Patrocinadores

Obrigatoriedade da anestesia local

A anestesia local se tornou obrigatória pela Resolução n°877, de 15 de fevereiro de 2008, do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), onde além de garantir o bem-estar, também facilita o manejo.

Hoje, o anestésico local mais utilizado é a Lidocaína (2 ou 5%), sendo aplicada próximo ao nervo cornual para que ocorra a insensibilização do nervo e consequentemente a impercepção da dor. É importante que a aplicação seja feita no local correto e obedeça o tempo de ação do anestésico.

Imagem mostrando a localização do nervo cornual e a aplicação de anestésico local.
Imagem mostrando a localização do nervo cornual e a aplicação de anestésico local.

Imagem demonstrando a localização do nervo cornual e a aplicação de anestésico local para insensibilização. Fonte: Cardoso (2014); Farmers Weekly (2012).

Estudos já demonstram os benefícios da analgesia preemptiva, ou seja, a aplicação de pré-mochação que auxilia no desconforto e dor pós-mochação.

Patrocinadores

A associação de analgesia e anestesia antes da realização do procedimento tem demonstrado melhora nos comportamentos de dor pelos animais e também maior ganho de peso no período posterior.

Entretanto, é importante que a técnica de mochação escolhida seja executada por uma pessoa treinada, visando melhor e mais rápida recuperação do animal, de forma que não afete seu desenvolvimento.

E-book criação de bezerras leiteiras
E-book criação de bezerras leiteiras

Como realizar a mochação com a pasta cáustica?

A mochação com pasta cáustica, se trata de um procedimento, onde a aplicação é exclusivamente no botão cornual.

  • Primeiramente é necessário que a medicação seja realizada (anestésico local e analgésico), considerando que os anestésicos locais demoram em média 10 minutos para agir;
  • Logo em seguida, a tosa dos pelos locais e aplicação da pasta sobre o botão: uma forma de evitar lesões na pele é a criação de uma barreira de contenção, com o uso de pomada à base de bálsamo.
Aplicação de pasta cáustica
Aplicação de pasta cáustica

Aplicação de pasta cáustica sobre o botão cornual. Fonte: Cartilha online – Criação sustentável de bovinos leiteiros.

Patrocinadores

O produto deve ser aplicado em quantidade adequada, pois em caso de aplicação em excesso, irá favorecer que o produto escorra e provoque lesões na pele e até mesmo nos olhos do animal.

Além disso, no caso da utilização da pomada de bálsamo para contenção, a pasta cáustica não deve jamais ultrapassar essa barreira, para que dessa forma não atinja a pele e cause danos.

Essa forma de cauterização química, causa elevados níveis de cortisol por em média 6 horas, entretanto, quando comparado aos outros métodos de mochação, causa dor por um período de tempo menor, o que é favorável para a bezerra.

Em resumo, alguns cuidados importantes devem ser tomados quando se utiliza a pasta cáustica para a mochação, e dentre eles podemos ressaltar:

  • Quanto mais jovem melhor;
  • Use medicamentos para controle da dor;
  • Não use muita pasta;
  • Mantenha a pasta seca;
  • Aplique apenas uma vez.

Como todos os processos relacionados a criação de bezerros, o cuidado com as boas práticas nos sistemas de produção, devem estar presentes e vem sendo crescentes na sociedade.

O consumidor tem cada dia mais acesso a informação, dessa maneira, suas exigências aumentam, e as propriedades que promovem o bem-estar de seus animais em toda cadeia produtiva, geram mais valor ao produto final.

Torne o LEITE um ÓTIMO NEGÓCIO!

Quer saber como aumentar seus lucros na produção de leite? Então, venha conhecer o Curso Gestão na Pecuária Leiteira do Rehagro.

As aulas são 100% online e você pode participar de qualquer lugar do Brasil. Com encontros online ao vivo, você fica frente a frente com os professores para tirar suas dúvidas. Além disso, há suporte dedicado a você ao longo de todo o curso.

O conteúdo é prático e aplicável à sua realidade, com foco na melhoria dos seus resultados.

Ficou interessado? Clique no link abaixo e conheça!

Curso Gestão na Pecuária Leiteira
Curso Gestão na Pecuária Leiteira

Amanda Lourenço
Amanda Lourenço

Laryssa Mendonça
Laryssa Mendonça

1. Por que a mochação de bezerros leiteiros é uma prática comum nas fazendas em todas as regiões do país?
Resposta: A mochação é comum para evitar que os animais ofereçam risco à segurança dos colaboradores, dificultem o manuseio e aumentem agressões no grupo, além de reduzir o valor comercial dos animais na fase adulta.

2. Quais são os impactos da mochação inadequada no desenvolvimento do animal?
Resposta: A dor provocada pela mochação inadequada pode causar queda da imunidade, diminuição do apetite e da produtividade, impactando negativamente no sistema de produção em curto e longo prazo.

3. Por que é importante utilizar anti-inflamatórios após a mochação?
Resposta: Os anti-inflamatórios têm a função de supressão de componentes do processo inflamatório e são a principal ferramenta de tratamento da dor no pós-mochação.

4. Qual a importância da anestesia local no processo de mochação?
Resposta: A anestesia local é importante para garantir o bem-estar dos animais e facilitar o manejo, além de contribuir para a redução da dor e do desconforto pós-mochação.

5. Quais são os principais cuidados a serem tomados na mochação com pasta cáustica?
Resposta: Alguns cuidados importantes incluem utilizar medicamentos para controle da dor, não usar muita pasta, manter a pasta seca, e aplicar apenas uma vez, além de utilizar a pomada de bálsamo para criação de uma barreira de contenção.

O processo de mochação de bezerros leiteiros é comum em fazendas de todo o país. Consiste em remover as células que produzem os chifres dos bezerros com menos de dois meses de idade, quando os brotos dos chifres ainda não se fundiram ao crânio. Neste artigo, vamos abordar o uso da pasta cáustica para mochação, os principais cuidados a serem tomados, a importância do uso de medicações analgésicas e anestésicas, e a forma correta de aplicação da pasta para evitar problemas às bezerras.

Mochação para segurança e eficiência no manejo de bezerros

Animais adultos com chifres podem oferecer riscos à segurança dos trabalhadores da fazenda, tornar o manejo mais difícil e aumentar a agressão dentro do grupo. A mochação foi criada para facilitar o manejo dos bovinos na fase adulta, evitando que os chifres se desenvolvam. Além disso, animais com chifres desenvolvidos na fase adulta podem ter seu valor comercial reduzido.

Estrutura anatômica de localização dos chifres em bovinos

A técnica mais comum no Brasil é a mochação com uso de ferro quente, além da mochação realizada com o uso de pastas cáusticas e o método de abscisão. É importante que todas as formas de mochação sejam realizadas adequadamente, com o uso de medicamentos para evitar dor aos animais.

Impactos da mochação inadequada

A dor causada pela mochação pode afetar negativamente o desenvolvimento dos animais, causando queda de imunidade, diminuição de apetite e diminuição da produtividade.

Importância do uso de anti-inflamatórios após a mochação

Para diminuir a dor aguda causada pela mochação, é essencial o uso de práticas de analgesia ou anestesia, como anti-inflamatórios, opiáceos e anestésicos locais. O uso de anti-inflamatórios tem a função de suprimir componentes do processo inflamatório e é essencial para a redução da dor pós-mochação.

Obrigatoriedade da anestesia local

A anestesia local se tornou obrigatória para garantir o bem-estar dos animais e facilitar o manejo. A Lidocaína é o anestésico local mais utilizado, aplicado próximo ao nervo cornual para insensibilização do nervo.

Estudos já demonstram os benefícios da analgesia preemptiva, ou seja, a aplicação de pré-mochação que auxilia no desconforto e dor pós-mochação. A associação de analgesia e anestesia antes da realização do procedimento tem demonstrado melhora nos comportamentos de dor e maior ganho de peso no período posterior.

Como realizar a mochação com a pasta cáustica?

A mochação com pasta cáustica é um procedimento onde a aplicação é feita exclusivamente no botão cornual. É necessário realizar a medicação (anestésico local e analgésico), tosa dos pelos locais e aplicação da pasta de forma correta, evitando lesões na pele e nos olhos do animal.

Em resumo, a mochação é um procedimento que requer cuidados especiais, incluindo o uso de medicamentos para controle da dor, a aplicação adequada da pasta, a manutenção da pasta seca e a aplicação apenas uma vez. A prática de boas técnicas de manejo é essencial para o bem-estar dos animais e para atender às crescentes exigências dos consumidores.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornal Do Campo

FAQ sobre mochação de bezerros leiteiros

Por que a mochação é importante para a segurança e eficiência no manejo de bezerros?

A presença de chifres em bovinos na fase adulta pode oferecer riscos à segurança dos colaboradores da fazenda, dificultar o manejo e aumentar agressões dentro do grupo. Além disso, a presença de chifres desenvolvidos na fase adulta pode reduzir o valor comercial dos animais.

Quais são as técnicas de mochação utilizadas no Brasil?

As técnicas mais comuns no Brasil são a mochação com uso de ferro candente, pastas cáusticas e o método de abscisão.

Quais são os impactos da mochação inadequada?

A mochação inadequada pode causar queda de imunidade, diminuição de apetite, diminuição da produtividade e impactos negativos no sistema de produção em curto e longo prazo.

Por que é importante o uso de anti-inflamatórios após a mochação?

O uso de anti-inflamatórios é essencial para diminuir a dor aguda que o procedimento de mochação pode causar, garantindo o bem-estar e o rápido processo de recuperação dos animais.

Como realizar a mochação com pasta cáustica?

A mochação com pasta cáustica envolve a aplicação exclusiva no botão cornual, com a tosa dos pelos locais e aplicação da pasta. É importante seguir os cuidados necessários para evitar lesões na pele do animal.

Torne o leite um ótimo negócio!

O processo de mochação de bezerros leiteiros é muito comum nas fazendas em todas as regiões do país. Essa prática compreende-se em remover as células queratogênicas produtoras de chifres em bezerros, com idade inferior a dois meses, sendo que, nessa fase os brotos dos chifres ainda não se fundiram ao crânio.Nesse texto iremos tratar sobre a utilização da pasta cáustica para mochação, evidenciando os principais cuidados a serem tomadas, a importância da utilização de medicações analgésicas e anestésicas e também a forma correta de aplicação da pasta a fim de evitar causar problemas às bezerras. Mochação para segurança e eficiência no manejo de bezerrosOs animais na fase adulta com a presença de cornos, podem oferecer risco à segurança dos colaboradores da fazenda, dificultar o manejo e aumentar agressões dentro do grupo. Com isso, a prática de mochação foi criada com a finalidade de facilitar o manejo dos bovinos na fase adulta, visto que os chifres desses animais não chegarão a se desenvolver.Além disso, os animais que têm a presença de cornos desenvolvidos na fase adulta, podem ter seu valor comercial reduzido, o que não é de interesse do produtor.Estrutura anatômica de localização dos chifres em bovinos. Fonte: Cartilha online – Criação sustentável de bovinos leiteiros.Técnicas de mochaçãoA técnica mais comum no Brasil é a mochação com uso de ferro candente, ou ferro quente, como mais conhecido. Além dessa técnica, temos a mochação realizada com o uso de pastas cáusticas e o método de abscisão, o qual se refere ao procedimento cirúrgico de retirada dos cornos.Todas as formas citadas anteriormente, quando não realizadas adequadamente, ou seja, sem o uso de medicamentos, causam significativa dor aos animais, o que afeta diretamente o bem-estar dos mesmos.Impactos da mochação inadequadaSabemos que a dor provoca danos ao desenvolvimento do animal, e destes podemos citar:Queda de imunidade;Diminuição de apetite;Diminuição da produtividade;Impactam de forma negativa no sistema de produção em curto e longo prazo.Importância do uso de anti-inflamatórios após a mochaçãoA fim de diminuir a dor aguda que o procedimento de mochação ou descorna pode causar ao animal, se torna essencial a utilização de práticas de analgesia ou anestesia, onde as drogas mais comuns de serem utilizadas pertencem a três classes:Anti-inflamatórios;Opióides;Anestésicos locais.É importante destacar que o uso de anti-inflamatórios tem a função de supressão de componentes do processo inflamatório, sendo também a principal ferramenta de tratamento da dor.Após o procedimento de mochação é necessário que seja utilizado anti-inflamatórios que possuam ação analgésica, pois somente os anestésicos locais não são suficientes para garantir a redução da dor após a mochação.A decisão de usar anti-inflamatório deve levar em consideração o bem-estar dos animais e também seguir as melhores práticas de manejo.Obrigatoriedade da anestesia localA anestesia local se tornou obrigatória pela Resolução n°877, de 15 de fevereiro de 2008, do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), onde além de garantir o bem-estar, também facilita o manejo.Hoje, o anestésico local mais utilizado é a Lidocaína (2 ou 5%), sendo aplicada próximo ao nervo cornual para que ocorra a insensibilização do nervo e consequentemente a impercepção da dor. É importante que a aplicação seja feita no local correto e obedeça o tempo de ação do anestésico.Imagem demonstrando a localização do nervo cornual e a aplicação de anestésico local para insensibilização. Fonte: Cardoso (2014); Farmers Weekly (2012).Estudos já demonstram os benefícios da analgesia preemptiva, ou seja, a aplicação de pré-mochação que auxilia no desconforto e dor pós-mochação.A associação de analgesia e anestesia antes da realização do procedimento tem demonstrado melhora nos comportamentos de dor pelos animais e também maior ganho de peso no período posterior.Entretanto, é importante que a técnica de mochação escolhida seja executada por uma pessoa treinada, visando melhor e mais rápida recuperação do animal, de forma que não afete seu desenvolvimento.Como realizar a mochação com a pasta cáustica?A mochação com pasta cáustica, se trata de um procedimento, onde a aplicação é exclusivamente no botão cornual.Primeiramente é necessário que a medicação seja realizada (anestésico local e analgésico), considerando que os anestésicos locais demoram em média 10 minutos para agir;Logo em seguida, a tosa dos pelos locais e aplicação da pasta sobre o botão: uma forma de evitar lesões na pele é a criação de uma barreira de contenção, com o uso de pomada à base de bálsamo.Aplicação de pasta cáustica sobre o botão cornual. Fonte: Cartilha online – Criação sustentável de bovinos leiteiros.O produto deve ser aplicado em quantidade adequada, pois em caso de aplicação em excesso, irá favorecer que o produto escorra e provoque lesões na pele e até mesmo nos olhos do animal.Além disso, no caso da utilização da pomada de bálsamo para contenção, a pasta cáustica não deve jamais ultrapassar essa barreira, para que dessa forma não atinja a pele e cause danos.Essa forma de cauterização química, causa elevados níveis de cortisol por em média 6 horas, entretanto, quando comparado aos outros métodos de mochação, causa dor por um período de tempo menor, o que é favorável para a bezerra.Em resumo, alguns cuidados importantes devem ser tomados quando se utiliza a pasta cáustica para a mochação, e dentre eles podemos ressaltar:Quanto mais jovem melhor;Use medicamentos para controle da dor;Não use muita pasta;Mantenha a pasta seca;Aplique apenas uma vez.Como todos os processos relacionados a criação de bezerros, o cuidado com as boas práticas nos sistemas de produção, devem estar presentes e vem sendo crescentes na sociedade.O consumidor tem cada dia mais acesso a informação, dessa maneira, suas exigências aumentam, e as propriedades que promovem o bem-estar de seus animais em toda cadeia produtiva, geram mais valor ao produto final.Torne o LEITE um ÓTIMO NEGÓCIO!Quer saber como aumentar seus lucros na produção de leite? Então, venha conhecer o Curso Gestão na Pecuária Leiteira do Rehagro.As aulas são 100% online e você pode participar de qualquer lugar do Brasil. Com encontros online ao vivo, você fica frente a frente com os professores para tirar suas dúvidas. Além disso, há suporte dedicado a você ao longo de todo o curso.O conteúdo é prático e aplicável à sua realidade, com foco na melhoria dos seus resultados.Ficou interessado? Clique no link abaixo e conheça!

Verifique a Fonte Aqui

Patrocinadores

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here