Noticias do Jornal do campo
Boa leitura!
Título: Governo do Paraná decreta estado de emergência zoossanitária por suspeita de gripe aviária

Introdução: O governo do Paraná decretou estado de emergência zoossanitária por 180 dias devido à suspeita de gripe aviária de alta patogenicidade (H5N1). Essa medida tem como objetivo agilizar o atendimento aos casos notificados e facilitar o acesso aos recursos para o combate à doença. O decreto foi aprovado pelo Conselho Estadual de Sanidade Agropecuária (Conesa) e está alinhado com as ações do Ministério da Agricultura e Pecuária.

Desenvolvimento: O Ministério da Agricultura e Pecuária já havia adotado a medida em maio e orientava que os estados também assinassem decretos semelhantes. Até o momento, os estados de Santa Catarina, Espírito Santo, Bahia, Mato Grosso do Sul e Tocantins também adotaram essa medida. O objetivo é garantir a agilidade nos processos, a disponibilidade imediata de recursos quando necessário e a segurança para importadores e consumidores brasileiros de frango.

Segundo o Secretário de Estado da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, trata-se de uma medida protetiva para agir com mais rapidez caso seja detectada a gripe aviária. Até o momento, foram detectados 7 casos da doença em aves silvestres migratórias, o que está dentro do esperado devido à migração natural dessas aves entre continentes.

Patrocinadores

A Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) informou que todos os focos foram declarados encerrados pelo Ministério da Agricultura e Pecuária. O objetivo é evitar que a doença entre nas fazendas comerciais. Além disso, a Adapar realizou quase 800 fiscalizações na região litorânea e examinou cerca de 20.000 aves de subsistência, todas declaradas saudáveis.

Parágrafo de Conclusão: O Paraná, maior produtor e exportador de frango do país, está tomando medidas para enfrentar a suspeita de gripe aviária. A adoção do estado de emergência zoossanitária busca garantir a segurança sanitária, evitar a propagação da doença e preservar a produção e exportação de frangos.

Perguntas e respostas frequentes:

1. O que é gripe aviária de alta patogenicidade?
A gripe aviária de alta patogenicidade é uma doença altamente contagiosa que afeta aves de diversas espécies, podendo causar alta mortalidade. Ela é causada pelo vírus H5N1 e pode ser transmitida para seres humanos.

Patrocinadores

2. Quais são os sintomas da gripe aviária em aves?
Os sintomas da gripe aviária em aves incluem falta de apetite, apatia, queda na produção de ovos, edema de cabeça e pescoço, entre outros.

3. Como a gripe aviária pode ser prevenida?
A prevenção da gripe aviária envolve medidas de biosseguridade nas propriedades, como o controle de acesso de pessoas e veículos, higienização adequada, vacinação das aves e monitoramento constante.

4. A carne de frango está segura para o consumo?
Sim, a carne de frango está segura para o consumo. Para garantir a segurança alimentar, os avicultores seguem rigorosos protocolos de biosseguridade e asseguram que seus produtos estejam livres de doenças.

5. Qual o impacto da gripe aviária na indústria avícola?
A gripe aviária pode causar grandes prejuízos econômicos para a indústria avícola, principalmente pela redução na produção de aves, restrições à exportação e queda na demanda interna.
Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão?

Patrocinadores

Maior produtor e exportador de frangos do Brasil, o governo do parana decretou nesta terça-feira (25) estado de emergência zoossanitária por 180 dias

O objetivo é agilizar o atendimento aos casos notificados de suspeita de gripe aviária de alta patogenicidade (H5N1) e facilitar o acesso aos recursos para o combate à doença.

A medida, que foi aprovada pelo Conselho Estadual de Sanidade Agropecuária (Conesa)é uma forma de alinhar as ações com o Ministério da Agricultura e Pecuária.

Em maio, o ministério já havia adotado essa medida e agora orientava que decretos semelhantes fossem assinados pelos estados com vistas a um trabalho conjunto entre as 27 unidades da Federação e o Distrito Federal, garantindo agilidade nos processos, disponibilidade imediata de recursos, se necessária e segurança para os importadores e consumidores brasileiros de frango.

Patrocinadores

Até agora, Santa Catarina, Espírito Santo, Bahia, Mato Grosso do Sul e Tocantins também adotaram um decreto semelhante.

“É importante deixar claro que se trata de uma medida protetiva. Com este decreto podemos agir com muito mais rapidez, livrando-nos de algumas barreiras burocráticas caso seja detectada a gripe aviária”, frisou o Secretário de Estado da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, que também preside o Conesa.

Até o momento, o estado detectou 7 casos da doença apenas em aves silvestres migratórias, o que está dentro do esperado, pois há uma migração natural de aves entre continentes em busca de alimento e para reprodução.

De acordo com Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar)todos os focos já foram declarados encerrados pelo Ministério da Agricultura e Pecuária.

Patrocinadores

“O que temos que evitar, com todos os meios possíveis, é que entre nas fazendas comerciais”, reforçou o secretário.

Desde a primeira notificação de gripe aviária no Paraná, em 21 de junho, a Adapar já realizou quase 800 fiscalizações na região litorânea, onde foram registrados os sete focos de aves silvestres migratórias. Cerca de 20.000 aves de subsistência foram clinicamente examinadas e consideradas saudáveis. Segundo o órgão fiscalizador, não há nesta região nenhuma fazenda com produção comercial ou reprodução.

Paraná é o maior produtor e exportador de frango do país

A avicultura foi a atividade que mais gerou valor nas propriedades rurais do Paraná em 2022.

Nas mais de 19 mil granjas de corte, recria e produção de ovos, foi gerado um Valor Bruto da Produção (VBP) de R$ 45 bilhões.

Patrocinadores

Naquele ano, mais de 2 bilhões de frangos foram abatidos.

Neste ano de 2023, de janeiro a junho, o Estado exportou mais de 1 milhão de toneladas de carne de frango para mais de 130 países. Além disso, quase 100.000 pessoas trabalham em matadouros que abatem e processam frangos.

**Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornal Do Campo**

Gostou das nossas dicas? Possui alguma outra que gostaria de compartilhar com a gente?
Escreva para nós nos comentários!

Fonte

Patrocinadores
Patrocinadores

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here