O mercado de insumos e seus impactos na produção de leite
O mercado de insumos e seus impactos na produção de leite

A produção de leite é complexa porque depende de um sistema de produção que reúne um grande conjunto de variáveis ​​biológicas e econômicas.

Este sistema bioeconômico tem na alimentação de vacas leiteiras uma das variáveis ​​mais importantes.

Sem alimentação adequada, o animal não consegue expressar seu potencial produtivo, no caso, a produção de leite, e certamente traz prejuízos ao produtor.

A alimentação dos animais, além de implicar na produção, tem impactos fortes e evidentes na saúde do animal e na sua capacidade reprodutiva.

Patrocinadores

Assim, o acompanhamento do desempenho dos principais alimentos (milho e soja) para a produção de leite lança luz sobre o que o produtor de leite terá que enfrentar, num futuro próximo, em sua atividade.

O custo de alimentação do rebanho impacta de 40 a 60% no custo total da produção de leite, dependendo do tipo de sistema de produção e dos preços relativos na região considerada.

As rações concentradas têm papel fundamental na alimentação animal e são produzidas principalmente com milho e soja, sendo que o primeiro fornece energia e o segundo fornece proteína, ambos essenciais para o desempenho do animal.

Desta forma, conhecer as previsões sobre a produção e o preço esperado dessas duas safras é relevante pois certamente impactará no custo da futura produção de leite e, consequentemente, na rentabilidade da propriedade.

Patrocinadores

As projeções para a produção de milho no Brasil para a safra 2022/2023, segundo a CONAB, são de 125,5 milhões de toneladas.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) também indica um crescimento de cerca de 8,62% na produção brasileira de milho.

Esse crescimento deve-se ao aumento de 4,12% na área plantada e ao aumento de 4,32% na produtividade. Espera-se uma produção de cerca de 126 milhões de toneladas para a safra 2022/2023.

Internacionalmente, a previsão é de queda na produção mundial de 3%, com os Estados Unidos apresentando uma redução de 7,75% e a União Europeia de 17,16%.

Patrocinadores

A redução da produção mundial sustentará os preços internacionais e a redução da produção nos Estados Unidos e na Ucrânia (-25,22%), grandes exportadores de milho, abrirá espaço para as exportações brasileiras, estimadas em 46 milhões de toneladas. .

Em termos de finanças globais, o aumento das taxas de juros nos principais mercados mundiais normalmente leva os fundos de investimento a retirar parte de seu capital do mercado de commodities agrícolas, no qual se inclui o milho, criando um vetor de queda nos preços dessa importante commodity.

Mesmo com a previsão de aumento das importações brasileiras de milho, esperadas em 1,3 milhão de toneladas, o país retirará do mercado interno, via exportação, um superávit de mais de 44,7 milhões de toneladas, criando sustentação para os preços do milho no mercado interno.

De março a julho deste ano, os preços do milho vinham caindo, mas o cenário se inverteu e os preços voltaram a subir.

Patrocinadores

Vale ressaltar que a partir de agosto, os preços voltaram a subir nos principais países exportadores, incluindo o Brasil.

O consumo brasileiro de milho está previsto em 77 milhões de toneladas com estoque final de 7,95 milhões de toneladas, um aumento de 70,92% em relação ao ano anterior.

Outro cultura relevante para alimentação animal é a soja, utilizado na composição de alimentos concentrados, basicamente fornecendo proteína.

As projeções para a produção de soja para a safra 2022/2023 apontam para um cenário recorde de produção.

Patrocinadores

Na perspectiva da Conab, a produção brasileira deve chegar a 150,36 milhões de toneladas de soja para a próxima safra. O USDA também indica um crescimento em torno de 18,25% na produção brasileira de soja.

Esse crescimento se deve ao Aumento de 2,4% na área plantada e de 15,63% na produtividade.

A produção da ordem de 149 milhões de toneladas está prevista para a safra 2022/2023. Internacionalmente, a previsão é de alta de 10,34%, destacando-se, além do Brasil, Argentina (15,91), China (12,20%) e Paraguai (138,10%).

O aumento da produção mundial deve manter os preços internacionais sem grande sustentação, apesar da redução da produção nos Estados Unidos (-1,29%), grande exportador de oleaginosas.

Patrocinadores

Em resposta às expectativas de produção a partir de maio deste ano, os preços da soja no mercado internacional perderam força e vêm caindo a cada mês..

Como pode ser notado, Não se espera uma pressão crescente sobre os custos de produção de leite a partir de rações concentradas (soja e milho).

Deve-se considerar que a soja deve manter ou baixar ainda mais seu preço devido ao forte aumento esperado na produção e o milho não deve ter aumentos substanciais com a comercialização da boa safra brasileira.

Considerando que os preços internacionais das principais commodities lácteas estão em desaceleração e os próximos meses são para a safra de leite no Brasil, é de se esperar uma pressão negativa sobre os preços pagos aos produtores.

Patrocinadores

O equilíbrio entre os custos de produção e o preço recebido favorecerá os produtores mais eficientes e aqueles que buscam otimizar os fatores de produção existentes na propriedade.

Mas é É importante notar que mesmo que haja alguma desaceleração nos custos, eles ainda devem permanecer em um patamar mais elevado sendo um desafio para o equilíbrio das contas do produtor.

Source link

agricultura agricultura de precisão agricultura familiar agrolink agronegocio agrotoxico arroz avicultura biodiesel biotecnologia boi brasil cabras café cavalo certificação consultoria crédito rural descubra ensino à distância etanol feijão flores frutas gado gado de corte geladeiras gestão rural milho noticias ovelha para pasto pecuaria pecuária leiteira pragas na agricultura Qual saúde Animal seguro rural setor sucroenergético SOJA suinocultura Treinamento trigo Turismo rural

Patrocinadores

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here