Pular para o conteúdo
Patrocinadores

Descubra as tendências dos atores mundiais!

Análise da Produção Pecuária no Mundo

A produção pecuária apresenta realidades distintas entre os principais países atuantes no setor de bovinocultura de corte. O Brasil tem batido recordes sucessivos, enquanto os EUA enfrentam reduções anuais, atingindo a menor produção desde 2017. Austrália e Argentina enfrentam desafios específicos em suas produções pecuárias.

Produção Pecuária nos EUA

O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) estima uma nova redução na produção para 2024. Esse cenário é resultado da queda no rebanho bovino norte-americano desde 2018, que deve atingir seu menor nível em 2024, com 87,4 milhões de cabeças. Além disso, a redução do rebanho está relacionada aos preços desfavoráveis do bezerro e do boi gordo, somados às condições ruins de pastagens, que têm levado os pecuaristas a encaminhar seus animais para o abate.

Tópicos do Artigo

Neste artigo, vamos analisar mais detalhadamente a situação da produção pecuária nos EUA, especialmente em relação à redução do rebanho, aos fatores que impactam essa queda e às perspectivas futuras para o mercado pecuário no país. Além disso, vamos abordar o contexto da produção pecuária na Austrália e na Argentina, comparando as diferentes realidades enfrentadas por esses países.

Criação de Oportunidades no Mercado Internacional

Ao entender as particularidades da produção pecuária nos principais países do ramo, é possível enxergar oportunidades e perspectivas para o mercado internacional de carne bovina, assim como para as estratégias adotadas pelos produtores diante das tendências e desafios apresentados.

Patrocinadores

———————————————————————————————-

Ciclo pecuário em diferentes países

Os EUA fecharam 2023 com uma produção de 12,29 milhões de toneladas, 599 mil toneladas a menos do que em 2022 e a menor produção desde 2017. A expectativa do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) para 2024 é de mais uma nova redução na produção, dessa vez com uma queda anual de 391 mil toneladas sobre 2023, chegando a um total de 11,90 milhões de toneladas, o que seria a menor oferta desde 2016.

Redução do rebanho bovino nos EUA

A queda de 1 milhão de toneladas na produção de carne bovina norte-americana entre 2022 e 2024 está atrelada principalmente à redução do rebanho bovino norte-americano, que vem caindo desde 2018. No entanto, o rebanho deve fechar 2024 no menor nível da história, com 87,4 milhões de cabeças.

Situação na Austrália e Argentina

A Austrália fechou 2023 com um aumento considerável no volume de bovinos abatidos no país, puxado pelas fêmeas, enquanto a Argentina encaminhou para os ganchos 14,5 milhões de cabeças, o que ajudou para que as exportações de carne bovina do país batessem recorde e o consumo interno de carne bovina voltasse a ficar acima dos 50 kgs hab/ano.

Patrocinadores

Desafios e indicativos para o futuro

A transição no ciclo pecuário em diferentes países apresenta desafios e indicativos para o futuro, como a retenção de fêmeas, os impactos climáticos e a perspectiva de produção e consumo de carne bovina.

————————————————————————————————–

Conclusão

A redução do rebanho bovino nos EUA e na Austrália está diretamente ligada à oferta de carne bovina, causando impacto no mercado mundial. Já na Argentina, a produção aumentou, mas o abate de fêmeas preocupa. A situação reflete diretamente no consumo e nas previsões para o mercado de carne bovina nos próximos anos, despertando a atenção de produtores e consumidores ao redor do mundo para os desafios que o setor enfrentará.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornal Do Campo

Patrocinadores

Produção de Carne Bovina nos EUA em Queda: Por Quê?

A produção de carne bovina nos Estados Unidos tem enfrentado uma queda significativa nos últimos anos, e essas tendências continuam em 2024. Entender as razões por trás dessas mudanças é crucial para todos os envolvidos no setor pecuário. Vamos analisar essa questão com mais detalhes.

FAQs

Pergunta 1: Por que a produção de carne bovina nos EUA está diminuindo?

Resposta: A redução da produção está principalmente ligada à diminuição do rebanho bovino nos EUA, o que resulta em menos animais disponíveis para produção de carne.

Pergunta 2: Quais foram os motivos iniciais para a redução do rebanho bovino nos EUA?

Resposta: Os preços “ruins” do bezerro e do boi gordo entre 2018 e 2020 foram os principais motivos para a redução do rebanho. Além disso, condições climáticas precárias também afetaram a produção.

Pergunta 3: A que fatores climáticos se atribui a diminuição do rebanho de bovinos nos EUA?

Resposta: Entre 2020 e 2022, as condições de pastagens nos EUA foram as piores desde 2012, o que forçou os pecuaristas a encaminhar os animais para o abate, incluindo fêmeas.

Patrocinadores

Pergunta 4: Qual é a perspectiva para a produção de carne bovina nos EUA em 2024?

Resposta: O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) prevê uma queda adicional na produção em 2024, e espera-se que a oferta atinja o menor nível desde 2016.

Pergunta 5: Quais são as projeções de longo prazo para a pecuária nos EUA?

Resposta: Ainda não se espera que os pecuaristas comecem a reter fêmeas nos próximos anos, indicando que os problemas de oferta nos EUA devem persistir pelo menos até 2025.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornal Do Campo

Enquanto no Brasil a produção pecuária bate recorde atrás da recorde, o mesmo não pode ser dito dos EUA, relata a Agrifatto, que fez um balanço resumido do atual comportamento do ciclo pecuário em alguns dos principais atores mundiais do setor da bovinocultura de corte – além dos dois países, a consultoria apontou dados da Austrália e da Argentina.

Patrocinadores

Os norte-americanos fecharam 2023 com uma produção de 12,29 milhões de toneladas, 599 mil toneladas a menos do que em 2022 e a menor produção desde 2017.

“A expectativa do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) para 2024 é de mais uma nova redução na produção, dessa vez com uma queda anual de 391 mil toneladas sobre 2023, chegando a um total de 11,90 milhões de toneladas, o que seria a menor oferta desde 2016”, observa a Agrifatto.

A queda de 1 milhão de toneladas na produção de carne bovina norte-americana entre 2022 e 2024 está atrelada principalmente à redução do rebanho bovino norte-americano (menos animais, menos carne produzida).

Desde 2018, o rebanho de bovinos nos EUA vem caindo e deve fechar 2024 no menor nível da história, com 87,4 milhões de cabeças.

Patrocinadores

VEJA TAMBÉM | Estoque de gado nos Estados Unidos atinge nível mais baixo desde 1951

Os motivos iniciais que levaram a redução do rebanho de bovinos nos EUA foram os preços “ruins” do bezerro e do boi gordo entre 2018 e 2020, justifica a Agrifatto.

No entanto, as cotações desses animais vem subindo vertiginosamente desde 2021 e ainda assim não houve perspectiva de aumento no rebanho de bovinos nos EUA, devido sobretudo ao fator climático.

Segundo recorda a Agrifatto, em 2020, as condições de pastagens nos EUA terminaram o ano no pior nível desde 2012. “O problema é que isso não terminou em 2020; durante os anos de 2021 e 2022 essas condições continuaram péssimas”, lembra a consultoria.

Diante de tal condição, o pecuarista norte-americano foi “obrigado” a encaminhar os seus animais (inclusive fêmeas) para a linha de abate.

Patrocinadores

Austrália – Em um contexto relativamente parecido com o Brasil, mas um pouco mais “atrasado”, a pecuária australiana fechou 2023 com um aumento considerável no volume de bovinos abatidos no país, puxado pelas fêmeas, informa a Agrifatto.

Foram 5,18 milhões de cabeças abatidas entre janeiro e setembro de 2023, 18,09% a mais do que o registrado no mesmo período de 2022, acrescenta.

Mercado com HN Agro | Ciclo pecuário: sinais de um horizonte melhor

As fêmeas, continua a Agrifatto, tiveram um incremento de 28,12% no total abatido em 2023, chegando a 2,42 milhões de cabeças e uma participação de 46,71% do total.

“Ou seja, os pecuaristas australianos começaram a aumentar a liquidação das suas fêmeas e, com isso, tomam um rumo de fechar 2024 já com uma participação das fêmeas sobre o abate total acima da média histórica”, relata a consultoria.

Argentina – As problemáticas fora e dentro da porteira continuam na Argentina, observa a Agrifatto. O país vizinho fechou 2023 com o maior abate de bovinos da história, encaminhando para os ganchos 14,5 milhões de cabeças.

“Isso ajudou para que as exportações de carne bovina do país batessem recorde e o consumo interno de carne bovina voltasse a ficar acima dos 50 kgs hab/ano”, destaca a consultoria.

No entanto, a produção cresceu graças ao aumento no abate de fêmeas – de janeiro a novembro, avançou 16,38% no comparativo com 2022 e atingiu o maior patamar desde 2009, informa a Agrifatto.

“Com isso, a participação das fêmeas sobre o total abatido chegou a 48,25%, o maior nível desde 2019 e 3,75 pontos percentuais acima da média histórica”, acrescenta a consultoria.

ARTIGO | Ciclo pecuário: a oportunidade da “virada”

Segundo os analistas da Agrifatto, há um indicativo de que as margens para a atividade pecuária estão mais apertadas na Argentina, o que favorece o descarte de fêmeas.

“Porém, os reajustes constantes da taxa de câmbio complicam a visão completa sobre a situação da pecuária argentina neste momento, mas os preços da pecuária estão longe das suas máximas, o que pode ser um indicador de que o descarte (de fêmeas) ainda está ocorrendo e, no longo prazo, uma fase de retenção se aproximará”, observa a consultoria.

Confira abaixo um resumo da situação de cada país:

portaldbo
Foto: Divulgação

# Maior produção de carne bovina da história;

# Abate de bovinos atinge maior patamar desde 2014 e pode ser ainda maior em 2024;

# Abate de fêmeas cresce mais de 25% e é o propulsor da produção recorde brasileira;

# Margem da cria ainda não estimula a retenção.

 

gado eua 2gado eua 2

# Menor rebanho da história;

# Pecuaristas norte-americanos ainda não começaram a reter fêmeas;

#Problema de oferta nos EUA se estenderá no mínimo até 2025.

 

portaldbo australiaportaldbo australia
Foto: Pixabay

# Abate volta a crescer e puxa preços domésticos da carne bovina para baixo;

# Diferença de preços entre EUA x Austrália atinge maior nível da história.

 

carne argentina destaquecarne argentina destaque

# Participação das fêmeas no abate argentino é a maior desde 2019;

# Preocupações com inflação e preços ainda são latentes.

 

Produção de carne bovina / previsão USDA – Agrifatto (milhões/t)

                   2022     2023      2024      (2024 versus 2023)

EUA          12,89       12,29      11,90               -3,1%

Brasil         10,35       10,56     10,84             +2,6%

Argentina  3,14          3,30        3,03             -8,2%

Austrália   1,88          2,22         2,35              +6,1

 

Consumo de carne bovina

                  2022         2023        2024     (2024 versus 2023)

EUA          12,80         12,65           12,36          -2,3%

Brasil         7,52           7,72            7,92           +2,6%

Argentina  2,32          2,43             2,13           -12,1%

Verifique a Fonte Aqui

Patrocinadores

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *