Os 4 principais passos para oferecer silagem de qualidade no confinamento

Bovinos Destaques Pecuária

Os avanços tecnológicos cada vez mais presentes no rebanho brasileiro e o desenvolvimento de técnicas específicas aos sistemas produtivos permitiram nos últimos anos aumentar os índices de produtividade do rebanho, resultando em uma pecuária bovina mais eficiente e sustentável tanto para a produção de leite, como de carne, e silagem de milho de qualidade, apresentando melhor custo por unidade produzida (litros de leite ou quilos de carne).

A produção no confinamento é economicamente viável e a silagem de milho está entre as opções adequadas de nutrição, por se tratar de um alimento de alto valor energético, com ótima aceitação pelos animais e facilidade de cultivo e de fermentação.

Para o gado de corte, além dos fatores inerentes ao animal, do tempo preconizado para o abate e do sistema de produção adotado no confinamento, podemos optar por uma dieta a base de grãos inteiros, grãos reidratados com alto nível de concentrado ou com alto volumoso.

A silagem de milho é um dos volumosos de melhor custo benefício, com um custo de produção entre R$ 70 e R$ 100 a tonelada, considerando uma matéria seca superior a 35%

Os sistemas de produção que preconizam obter animais acabados mais cedo e com maior peso, se faz necessário o uso de alimentos energéticos, como silagens de alta qualidade, além de suplemento mineral, concentrado proteico, concentrado energético e aditivo, podendo atingir ganhos em peso ao redor de 1,5 quilo/cabeça/dia.

Uma silagem de alta qualidade sugere os seguintes padrões:Padrões bromatológicosPara a obtenção de silagem de alta qualidade, vários aspectos devem ser considerados, dentre eles, os mais importantes são: escolha correta do híbrido, tecnologia de produção, ponto de colheita, altura de corte, tamanho de partículas, compactação, uso de inoculante, enchimento do silo, fechamento, retirada da silagem e fornecimento para os animais.

O híbrido de milho para silagem é fonte de energia, fibras e açúcares e parte desta energia é proveniente dos grãos. Há um aumento significativo da energia na forma de nutrientes digestíveis totais (NDT) à medida que mais grãos participaram da massa ensilada, entretanto, as outras partes da planta que são ricas em fibras como: colmo, folhas, palha e sabugo, também devem ser de alta digestibilidade, pois em geral representam mais de 50% da composição da planta. Como regra, “um bom híbrido para silagem também é bom para produção de grãos”.

O produtor, para a escolha do híbrido, deve dar preferência a empresas que tenham pesquisa e desenvolvimento para silagem com resultados comprovados.

Além da produção de grãos, outras características de grande importância na escolha do melhor híbrido para silagem são: produção de massa verde e seca, excelente janela técnica de colheita, relação de amido na matéria seca, adaptação à região e estabilidade de produção.

Uma silagem de alta qualidade deve apresentar plantas que na sua composição equivalente tenham como referência: 15% de folhas; 18% de colmo e 67% de espigas; A espiga, por ser uma parte importante da planta, deve apresentar ao redor de 74% de grãos; 11% de palha e de 15% de sabugo, os grãos semi-dentados são mais indicados, pois esses são mais facilmente quebrados ou triturados, permitindo melhor aproveitamento da energia neles contida.

Ponto de colheita e tamanho de partículasDe todos os requisitos para se obter uma silagem de qualidade, o ponto de colheita é um dos que mais interfere na qualidade da silagem produzida. O ideal é fazer colheita quando as plantas apresentarem um teor de matéria seca entre 34 e 37%.

Nesse momento, os grãos de milho se encontram entre as fases de textura farináceo (linha do leite em 1/2 do grão) a farináceo-duro (linha do leite em 2/3 do grão).Na faixa ideal de matéria seca, na colheita efetuada (34-37%), teremos um aumento significativo de matéria seca por área, redução das perdas de armazenamento, facilidade de corte e de obtenção de partículas de tamanho mais uniforme (analisado pelo separador da Penn State), favorecendo a compactação e consequentemente, melhorando as condições de fermentação.

A altura de corte no milho para silagem é importante quando se tem como objetivo colher uma silagem de qualidade com maior digestibilidade, mais grãos e maior resposta em leite e carne.

Temos diferentes épocas de plantio, população, espaçamento, primeira safra, segunda safra. Estas inúmeras variáveis existentes na cultura do milho para silagem a altura de corte é uma das ferramentas de ajustes para matéria seca, níveis de FDA e FDN, assim como teor amido, NDT e digestibilidade.

É fundamental que o produtor estime e analise em quantidade e qualidade o que estará armazenando no seu silo.

À medida que aumentamos a altura de corte, melhora-se a digestibilidade, a concentração de espiga, amido e matéria seca, reduzindo os teores de FDA e FDN na silagem.

Encontrar o equilíbrio entre produção e qualidade é fundamental para que a nutrição dos animais seja ajustada e constante.Quando cortamos o milho a uma altura de aproximadamente 50 cm, deixaremos um resíduo na lavoura, com digestibilidade inferior a 40%, rico em fibra, com folhas mortas e com alta concentração de água, representando uma cobertura de solo rica em potássio.Ex.: Terminação de Novilhos, em confinamento, com peso inicial de 380 kg e peso final de 500 kg de peso vivo. Com dieta a base de silagem de milho (70%).

Considerando uma silagem dentro dos padrões ideais da tabela 1, com um consumo médio de matéria seca de 2,4% do peso vivo. Obs.: É muito importante que cada produtor analise a sua realidade e faça sua própria simulação dependendo da região, tamanho do confinamento, controle do custo de produção, tipo de estrutura existente na propriedade e metas futuras de crescimento do confinamento, isto para a tomada de decisão de qual tipo de tecnologia a ser adotada na terminação dos novilhos.

Considerações para produzir silagem de Qualidade fatores importantes

1 – Fazer 100% do que temos controle na condução da lavoura;

2 – Estar atento às coisas que não controlamos;

3 – Utilizar híbridos de empresas com pesquisa na área de silagem;

4 – Utilizar as inovações tecnológicas existentes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *