Otimização da Pecuária em Mato Grosso: Projeto visa Reduzir Emissão de Metano e Aumentar Produtividade

Pesquisadores da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), em parceria com outras instituições, estão desenvolvendo um projeto inovador com o objetivo de melhorar a produtividade da pecuária e reduzir a emissão de gás metano no estado. A iniciativa, intitulada “Novas Dietas para Bovinos com Base em Espécies Nativas na Amazônia Mato-grossense”, tem como foco principal o uso de plantas nativas na alimentação animal.

Explorando as Espécies Nativas: “Amarelinho” e “Bordão de Velho”

No escopo do projeto, estão incluídas espécies como o “Amarelinho” (Chloroleucon acacioides) e o “Bordão de Velho” (Samanea tubulosa) na dieta bovina. Essas plantas não só oferecem benefícios nutricionais, mas também têm potencial para melhorar o bem-estar dos animais, além de impactar positivamente o solo e as plantas forrageiras.

Desafios e Alternativas Sustentáveis para a Pecuária em Mato Grosso

A pecuária desempenha um papel vital na economia do estado, porém, muitas áreas de pastagens estão degradadas, o que prejudica a produção e a biodiversidade. Diante desse cenário, a busca por alternativas sustentáveis que possam aumentar a produtividade de forma ambientalmente amigável cresce a cada dia.

Além disso, confira abaixo esses posts:

Patrocinadores

MEGA SORGO SANTA ELISA

Pragas de Milho e Sorgo: Descubra as Ameaças Ocultas para Sua Colheita

06 Dicas Essenciais para Plantar Sorgo com Sucesso

Silagem de Sorgo

Patrocinadores

Benefícios das Espécies Nativas na Alimentação Animal

Os pesquisadores da Unemat, em parceria com outras instituições renomadas, estão focados em utilizar espécies nativas, como o “Amarelinho” e o “Bordão de Velho”, na dieta dos bovinos. Essa abordagem visa não apenas melhorar a produtividade da pecuária, mas também otimizar a emissão de gás metano em Mato Grosso.

O Manejo Sustentável das Árvores

O coordenador do projeto, Alexandre de Azevedo Olival, ressalta que o manejo correto dessas árvores nativas nas pastagens pode trazer benefícios nutricionais, melhorar o bem-estar animal e ter impactos positivos no solo e nas plantas forrageiras. Essa abordagem sustentável é um passo importante para enfrentar os desafios da pecuária no estado.

Alternativas Sustentáveis para Aumentar a Produtividade

Com muitas áreas de pastagens degradadas em Mato Grosso, cresce o interesse por soluções sustentáveis que possam melhorar a produtividade com baixo impacto ambiental. O uso de espécies nativas na alimentação animal pode ser uma alternativa viável para fortalecer o setor pecuário no estado.

O Avanço Significativo da Pesquisa

Os resultados do estudo mostram que o uso do “Amarelinho” e do “Bordão de Velho” na dieta bovina não apenas reduz a emissão de metano, um dos principais gases de efeito estufa associados à pecuária, mas também aumenta o ganho de peso dos animais, contribuindo para uma maior eficiência produtiva. Essa pesquisa representa um avanço significativo para a pecuária em Mato Grosso.

Patrocinadores

Parcerias Estratégicas para o Sucesso do Projeto

O pesquisador destaca a importância da parceria entre instituições acadêmicas e o apoio de organizações como o Instituto Ouro Verde e a COOPERGUARITA. Essa colaboração é fundamental para o desenvolvimento eficaz e a implementação das diretrizes práticas resultantes do estudo.

Além disso, confira abaixo esses posts:

Preço do Bezerro Nelore e Mestiço Atualizado

Preço da vaca Nelore e Mestiça Atualizado

Patrocinadores

Preço do Milho Atualizado

Preço da Soja Atualizado

Conclusão: Alternativas sustentáveis para a pecuária em Mato Grosso

O projeto de pesquisa que busca melhorar a produtividade da pecuária e reduzir a emissão de gás metano em Mato Grosso representa um avanço significativo para o setor. A utilização de espécies nativas, como o “Amarelinho” e o “Bordão de Velho”, na alimentação dos bovinos não só beneficia a nutrição animal, mas também contribui para o bem-estar dos animais e para a sustentabilidade ambiental.

Os resultados obtidos indicam que a inclusão dessas espécies na dieta bovina pode reduzir a emissão de metano e aumentar o ganho de peso dos animais de corte. Além disso, o manejo correto dessas árvores nas pastagens pode ter impactos positivos no solo e nas plantas forrageiras, fortalecendo assim o setor pecuário no estado.

Patrocinadores

A parceria entre instituições acadêmicas e organizações locais, como o Instituto Ouro Verde e a COOPERGUARITA, é fundamental para o sucesso desse projeto inovador. Com práticas mais sustentáveis e eficientes, a pecuária em Mato Grosso pode enfrentar os desafios atuais e garantir um futuro mais promissor para o setor.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornal Do Campo

Otimização da Pecuária em Mato Grosso: Novas Dietas com Espécies Nativas

Pesquisadores da Unemat, em parceria com instituições renomadas, estão desenvolvendo um projeto para melhorar a produtividade da pecuária e reduzir a emissão de metano em Mato Grosso. O estudo foca no uso de espécies nativas, como o “Amarelinho” e o “Bordão de Velho”, na alimentação animal.

Perguntas Frequentes

1. Quais são os objetivos do projeto?

O projeto visa melhorar a produtividade da pecuária e reduzir a emissão de metano, utilizando espécies nativas na alimentação animal.

Patrocinadores

2. Quais são as espécies estudadas?

O estudo se concentra no “Amarelinho” (Chloroleucon acacioides) e no “Bordão de Velho” (Samanea tubulosa).

3. Como as espécies nativas beneficiam a pecuária em Mato Grosso?

O uso dessas espécies pode melhorar o bem-estar animal, impactar positivamente o solo e aumentar a eficiência produtiva.

4. Quais são os resultados esperados do projeto?

Espera-se uma redução na emissão de metano, aumento no ganho de peso dos animais e diretrizes práticas para a implementação das espécies na alimentação animal.

5. Como a pesquisa contribui para a sustentabilidade da pecuária em Mato Grosso?

A pesquisa oferece alternativas sustentáveis para aumentar a produtividade com baixo impacto ambiental, fortalecendo o setor pecuário no estado.

Patrocinadores

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornal Do Campo

Verifique a Fonte Aqui

portaldbo fapemat
Bovinos se alimentando com o fruto da espécie nativa “Amarelinho” (Foto: Arquivo/Pesquisador)

Pesquisadores da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), em parceria com a Universidade Federal de São Carlos e o Centro de Energia Nuclear na Agricultura da Universidade de São Paulo (CENA/USP), conduzem um projeto visando melhorar a produtividade da pecuária e otimizar a emissão de gás metano em Mato Grosso.

O estudo, intitulado “Novas Dietas para Bovinos com Base em Espécies Nativas na Amazônia Mato-grossense”, é financiado pelo Governo do Estado de MT, pelo edital nº 010/2021 Pesquisa com Alto Nível de Maturidade Tecnológica (PANMT), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat).

O projeto concentra-se no uso de espécies nativas, como o “Amarelinho” (Chloroleucon acacioides) e o “Bordão de Velho” (Samanea tubulosa), na alimentação animal.

portaldbo fapemat1portaldbo fapemat1
A espécie “Bordão de Velho“ (Samanea tubulosa), na época da chuva (Foto: Arquivo/Pesquisador)

Segundo o coordenador do projeto Alexandre de Azevedo Olival, além dos possíveis benefícios nutricionais, o manejo correto dessas árvores nas pastagens pode melhorar o bem-estar animal e ter impactos positivos no solo e nas plantas forrageiras.

“É um importante passo para enfrentar os desafios da pecuária em Mato Grosso, onde podemos adotar práticas mais sustentáveis e eficientes, utilizando algumas espécies nativas na alimentação animal, com ótimos resultados, fortalecendo assim o setor pecuário no estado”, destacou o pesquisador

A pecuária desempenha um papel essencial na economia de Mato Grosso, porém, muitas áreas de pastagens encontram-se degradadas, o que dificulta o sistema de produção a pasto e impacta negativamente a biodiversidade.

Diante desse cenário, cresce o interesse por alternativas sustentáveis que possam aumentar a produtividade com baixo impacto ambiental.

VEJA TAMBÉM | MT: campanha do Indea para atualização de rebanho começa na quarta-feira, 1º de maio

O projeto é conduzido em três dimensões: avaliação da produção anual e características dos frutos das espécies estudadas, análise da composição dos frutos e dos processos de fermentação in vitro, e avaliação do desempenho e comportamento animal de novilhas alimentadas com os frutos.

portaldbo fapemat2portaldbo fapemat2
A espécie do “Amarelinho” (Chloroleucon acacioides) em época da seca, quando é colhido os frutos (Foto: Arquivo/Pesquisador)

Segundo a Fapemat, os resultados mostram que o uso do “Amarelinho” e do “Bordão de Velho” na dieta bovina não apenas reduz a emissão de metano, um dos principais gases de efeito estufa associados à pecuária, mas também aumenta o ganho de peso dos animais de corte, contribuindo para uma melhor eficiência produtiva.

A pesquisa representa um avanço significativo para a pecuária em Mato Grosso, oferecendo diretrizes práticas para a implementação eficaz dessas espécies na alimentação animal.

PodCarne: Emissão de Metano na Pecuária; OUÇA

O pesquisador destaca o papel fundamental da parceria entre instituições acadêmicas e o apoio de organizações como o Instituto Ouro Verde e a COOPERGUARITA, cooperativa que congrega coletores de sementes e produtores de leite em oito municípios no norte de Mato Grosso.

Fonte: Ascom Fapemat / Governo de MT

Patrocinadores

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here