creep-feeding para cordeiros

A crescente demanda por carne ovina, registrada nos últimos anos, impulsionou o aumento da produção de cordeiros para abate, gerando a necessidade de melhoria nas técnicas de produção. Para que o sistema de cria e terminação de cordeiros em confinamento seja realizado com êxito, alguns fatores relacionados ao manejo nutricional do rebanho devem ser cuidadosamente respeitados pelo produtor; dentre os quais podemos destacar a condição da ovelha durante a gestação e lactação e o crescimento do cordeiro até a desmama.


A alimentação dos cordeiros durante o período de aleitamento é extremamente importante para que a desmama seja realizada com sucesso e os animais apresentem as condições necessárias para serem terminados em confinamento.


Durante o primeiro mês de vida o cordeiro depende basicamente do leite materno. A partir desse período ocorre um aumento gradativo no consumo de alimento sólido, o qual é acompanhado pela elevação do peso corporal e das exigências nutricionais. Em geral, cordeiros começam a consumir quantidades significativas de ração ao redor dos 10 a 14 dias de idade, sendo o consumo inversamente proporcional à ingestão de leite.


O rápido crescimento do cordeiro nos primeiros meses de vida aliado à redução na produção de leite da ovelha, a partir da terceira semana pós-parto, tornam a técnica de alimentação privativa, conhecida como “creep-feeding“, indispensável dentro do sistema produtivo.

Patrocinadores


A alimentação privativa ou “creep feeding” é o sistema de alimentação utilizado durante a fase de aleitamento no qual as crias recebem uma suplementação. Esta prática caracteriza-se pelo fato de apenas os cordeiros terem acesso à ração (concentrado próprio para a fase inicial), o que se faz possível pela oferta de alimento em cocho cercado.


O sistema fundamenta-se na curva característica de lactação das ovelhas, cujo pico de produção ocorre entre a terceira e a quarta semana após o parto, sendo que 75% do total de leite é produzido nas oito primeiras semanas da lactação. Além disso, deve se considerar o fato de que o aumento no número de crias por parto não é acompanhado pelo aumento proporcional na produção de leite.

Ovelhas com duas crias produzem cerca de 20 a 40% a mais de leite do que ovelhas com partos simples.


Concomitantemente à diminuição da produção de leite da ovelha, ocorre o aumento das necessidades de ingestão de matéria seca por parte do cordeiro, em virtude do seu crescimento, fato que o força a substituir a dieta líquida pela sólida.

Patrocinadores

A ração do “creepfeeding” geralmente é oferecida às crias uma semana após o nascimento para estimular o desenvolvimento precoce do rúmen, o qual depende da habilidade desses animais em consumir e utilizar o alimento sólido, e suplementar a ingestão de nutrientes para um crescimento mais acelerado.


A técnica da alimentação privativa quando utilizada de maneira correta proporciona diversos benefícios dentro do sistema de produção.

O aumento da taxa de crescimento dos animais durante a fase de aleitamento possibilita que estes sejam desmamados com maior peso corporal.

Neres et al. (2000) compararam o desempenho de cordeiros desmamados aos 56 dias com e sem acesso ao alimentador privativo e obteve peso à desmama de 25,60 e 18,30 kg, respectivamente.

Patrocinadores


Outra vantagem da utilização da alimentação privativa está relacionada ao fato de que o animal exposto à dieta sólida desde os primeiros dias de vida apresentará melhores condições de adaptação durante a fase de terminação.

O período da desmama é bastante delicado, uma vez que a separação entre a cria e a mãe gera uma situação de estresse, com reflexos negativos sobre o consumo de matéria seca e o sistema imunológico do animal, tornando-o mais susceptível às adversidades do meio ambiente.


Mudanças abruptas na dieta durante essa fase pode afetar negativamente o  desempenho dos animais por até duas semanas.

Desta forma, a utilização do “creepfeeding” permite que o animal apresente maior peso corporal no início do confinamento e esteja adaptado ao tipo de ração que será fornecida durante a engorda, reduzindo desta forma os efeitos deletérios decorridos da desmama.

Patrocinadores

Para que o consumo do concentrado inicial seja elevado, as dietas fornecidas no alimentador privativo devem apresentar boa aceitabilidade e estar ao alcance dos cordeiros durante todo o tempo. Além disso, o concentrado deverá ter energia elevada e conter teores adequados de proteína, minerais e vitaminas.

A utilização de um ingrediente palatabilizante, como o melaço de cana-de-açúcar, contribui para aumentar o interesse do animal pela ração, elevando o consumo voluntário.


Outro fator de grande relevância é a forma de processamento do milho grão. A recomendação é que este seja parcialmente processado, ou seja, quebrado, triturado ou moído grosso.

Como não é utilizado nenhum tipo de forragem na ração inicial, o fornecimento do milho grão com partículas de tamanhos maiores, estimula o desenvolvimento das papilas do rúmen, acelerando a atividade ruminal.

Patrocinadores


A seguir são apresentadas alguns exemplos de concentrado inicial que podem ser utilizados no “creep-feeding” (Tabela 1).
ovi1
Tabela 1: Exemplos de fórmulas de concentrado inicial para utilização no “creepfeeding” (% da matéria original)


O desenvolvimento do rúmen está diretamente relacionado ao consumo de leite e de alimentos sólidos. De acordo com Susin (2001), o consumo de alimento sólido não é significativo até 3 semanas de idade; entretanto, as pequenas quantidades ingeridas são muito importantes para estabelecer a função ruminal e o hábito de ingestão.


Avaliando o desempenho de cordeiros da raça Santa Inês alimentados em sistema de “creep-feeding”, Mendes et al. (2003) observaram consumo médio diário de 127 g durante o período de aleitamento.

Nas duas semanas que seguiram à desmama, efetuada aos 56 dias, os cordeiros aumentaram consideravelmente o consumo do concentrado inicial, apresentando média diária de 480 g.

Patrocinadores

Estes resultados evidenciam a importância da utilização da alimentação privativa durante o período de aleitamento, uma vez que o consumo de alimento sólido é o melhor critério para desmamar cordeiros precocemente.


O fornecimento do concentrado inicial é tão importante quanto a localização do alimentador privativo (“creep”), o qual deve ser de fácil acesso, colocado em local com boa luminosidade, sombreado e próximo ao ponto de descanso de rebanho, de modo que a mãe possa ver suas crias e vice-versa. Além disso, é necessário que as crias tenham disponível água limpa, fresca e à vontade.


O comedouro privativo pode ser construído com diversos tipos de materiais, como por exemplo madeira, tela de arame, barras de ferro.

O importante é que atenda o objetivo principal, que é possibilitar o acesso exclusivo das crias e que a entrada seja ajustável ao tamanho das crias em função da idade.

Patrocinadores

As dimensões podem variar em função do material utilizado na estrutura e na localização do alimentador, conforme apresentado na figura 1.


ovi2


Figura 1: Alimentador privativo (“creep”) utilizado em confinamento ou pastagens.


Considerando o elevado crescimento apresentado pelos animais jovens e visando ganhos de peso acelerado, a utilização da técnica de alimentação privativa ou “creep-feeding” se coloca como uma ferramenta tecnológica indispensável para atender os objetivos propostos nos atuais sistemas de produção de ovinos.


O fornecimento do concentrado inicial através do alimentador privativo permite que os animais sejam confinados logo após a desmama sem afetar o desempenho, garantindo desta forma, maior sucesso durante a fase do confinamento e possibilitando redução nos custos com alimentação e mão-de-obra durante a fase de terminação, gerando maior retorno econômico da atividade.

agricultura agricultura de precisão agricultura familiar agrolink agronegocio agrotoxico arroz avicultura biodiesel biotecnologia boi brasil cabras café cavalo certificação consultoria crédito rural descubra ensino à distância etanol feijão flores frutas gado gado de corte geladeiras gestão rural milho noticias ovelha para pasto pecuaria pecuária leiteira pragas na agricultura Qual saúde Animal seguro rural setor sucroenergético SOJA suinocultura Treinamento trigo Turismo rural

Patrocinadores

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here