conheçam a forca do Canchim.

Bovinocultura Bovinos Equinocultura Pecuária Sem categoria

Pecuarista Aposta no Cruzamento Industrial com Touros Canchim


Imprimir

Obter um gado comercial de qualidade superior para atender ao mercado cada vez mais exigente e ao mesmo tempo explorar ao máximo a potencialidade de sua produção. Estes objetivos motivaram Fernando Lara, empresário do setor de publicidade, a escolher touros Canchim para o cruzamento industrial que faz em sua fazenda localizada em Itu, SP. “O Canchim é um gado que responde às exigências e gera excelentes resultados. É o tipo de produto que o frigorífico deseja. Por isso, na minha região, o produto de cruzamento com Canchim se tornou referência”, garante Lara.

O criador conta que o rápido desenvolvimento e o ganho de peso – principais qualidades dos bezerros – podem ser percebidos logo após o nascimento. Os animais nascem com 35 a 40 kg e, na desmama, aos oito meses, tanto os machos como as fêmeas atingem em média 210 kg. “Essa precocidade certamente alavanca os negócios”, diz Lara. Para antecipar o desenvolvimento ruminal da cria e torná-la menos dependente do leite da mãe – o que permite a rápida recomposição corporal da vaca para uma nova prenhez – o criador é adepto ao uso do creep feeding.

Lara utiliza 15 touros Canchim puros, comprados dos mais renomados criadores, como Mário Xavier, da Fazenda Santa Carolina, em Ibituva, PR; e Deniz Ferreira Ribeiro, da Fazenda Água Marinha, em Águas de Santa Bárbara, SP. Há anos, ele trocou a inseminação artificial pela monta natural a campo. Como cada um de seus reprodutores cobre, em média, 40 a 50 vacas por estação de monta – uma taxa de prenhez de 90% — são produzidos todo ano entre 450 e 500 bezerros.

O Canchim é conhecido pelo pecuarista há mais de 20 anos. Seu pai, um produtor de gado leiteiro, conhecia o trabalho de Antonio Teixeira Vianna, que em 1935 começou os trabalhos experimentais para a formação da raça na Fazenda Canchim, em São Carlos, hoje sede da Embrapa Pecuária Sudeste. Ele comprou, então, alguns touros Canchim para colocar na vacada. Entusiasmado com os resultados, passou a criar Canchim puro, utilizando touros top da raça na inseminação, mas sem perder o foco na produção do meio sangue a partir do cruzamento entre Canchim e Nelore, cuja heterose potencializa o ganho de peso.

As observações feitas pelo pecuarista são respaldadas por pesquisas científicas. De acordo com a Embrapa, por possuir em sua constituição genética 5/8 de Charolês, o Canchim transmite aos seus filhos as características desejáveis dessa raça, como tamanho, velocidade de crescimento, qualidade da carcaça e cor favorável da pelagem. Já dos 3/8 herdados do Zebu, transmite a grande versatilidade em termos adaptação a vários tipos de ambiente.

Segundo Pedro Franklin Barbosa, pesquisador aposentado pela Embrapa Pecuária Sudeste, o uso de touros da raça Canchim em cruzamento com fêmeas de composição genética diferente permite o aproveitamento de níveis consideráveis de heterose (vigor híbrido) e de complementaridade. Outra razão é a garantia da oferta de reprodutores com avaliação genética para várias características, já que o gado conta com um programa de melhoramento genético realizado pela Associação Brasileira de Criadores de Canchim em parceria com a Embrapa-Geneplus, de Campo Grande.

Da década de 1970 para cá, estudos e observações em vários criatórios mostram que bezerros filhos de touros Canchim com vacas Zebu (principalmente Nelore) pesavam de 15 a 30 kg a mais aos dois anos de idade do que os zebuínos puros. Considerando o mesmo rendimento de carcaça (50%) para ambos os grupos genéticos, isso representa vantagem dos cruzados Canchim x Zebu de 0,5 a 1,0 @ por animal.

Obter um gado comercial de qualidade superior para atender ao mercado cada vez mais exigente e ao mesmo tempo explorar ao máximo a potencialidade de sua produção. Estes objetivos motivaram Fernando Lara, empresário do setor de publicidade, a escolher touros Canchim para o cruzamento industrial que faz em sua fazenda localizada em Itu, SP. “O Canchim é um gado que responde às exigências e gera excelentes resultados. É o tipo de produto que o frigorífico deseja. Por isso, na minha região, o produto de cruzamento com Canchim se tornou referência”, garante Lara.

O criador conta que o rápido desenvolvimento e o ganho de peso – principais qualidades dos bezerros – podem ser percebidos logo após o nascimento. Os animais nascem com 35 a 40 kg e, na desmama, aos oito meses, tanto os machos como as fêmeas atingem em média 210 kg. “Essa precocidade certamente alavanca os negócios”, diz Lara. Para antecipar o desenvolvimento ruminal da cria e torná-la menos dependente do leite da mãe – o que permite a rápida recomposição corporal da vaca para uma nova prenhez – o criador é adepto ao uso do creep feeding.

Lara utiliza 15 touros Canchim puros, comprados dos mais renomados criadores, como Mário Xavier, da Fazenda Santa Carolina, em Ibituva, PR; e Deniz Ferreira Ribeiro, da Fazenda Água Marinha, em Águas de Santa Bárbara, SP. Há anos, ele trocou a inseminação artificial pela monta natural a campo. Como cada um de seus reprodutores cobre, em média, 40 a 50 vacas por estação de monta – uma taxa de prenhez de 90% — são produzidos todo ano entre 450 e 500 bezerros.

O Canchim é conhecido pelo pecuarista há mais de 20 anos. Seu pai, um produtor de gado leiteiro, conhecia o trabalho de Antonio Teixeira Vianna, que em 1935 começou os trabalhos experimentais para a formação da raça na Fazenda Canchim, em São Carlos, hoje sede da Embrapa Pecuária Sudeste. Ele comprou, então, alguns touros Canchim para colocar na vacada. Entusiasmado com os resultados, passou a criar Canchim puro, utilizando touros top da raça na inseminação, mas sem perder o foco na produção do meio sangue a partir do cruzamento entre Canchim e Nelore, cuja heterose potencializa o ganho de peso.

As observações feitas pelo pecuarista são respaldadas por pesquisas científicas. De acordo com a Embrapa, por possuir em sua constituição genética 5/8 de Charolês, o Canchim transmite aos seus filhos as características desejáveis dessa raça, como tamanho, velocidade de crescimento, qualidade da carcaça e cor favorável da pelagem. Já dos 3/8 herdados do Zebu, transmite a grande versatilidade em termos adaptação a vários tipos de ambiente.

Segundo Pedro Franklin Barbosa, pesquisador aposentado pela Embrapa Pecuária Sudeste, o uso de touros da raça Canchim em cruzamento com fêmeas de composição genética diferente permite o aproveitamento de níveis consideráveis de heterose (vigor híbrido) e de complementaridade. Outra razão é a garantia da oferta de reprodutores com avaliação genética para várias características, já que o gado conta com um programa de melhoramento genético realizado pela Associação Brasileira de Criadores de Canchim em parceria com a Embrapa-Geneplus, de Campo Grande.

Da década de 1970 para cá, estudos e observações em vários criatórios mostram que bezerros filhos de touros Canchim com vacas Zebu (principalmente Nelore) pesavam de 15 a 30 kg a mais aos dois anos de idade do que os zebuínos puros. Considerando o mesmo rendimento de carcaça (50%) para ambos os grupos genéticos, isso representa vantagem dos cruzados Canchim x Zebu de 0,5 a 1,0 @ por animal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *