Explorando o Potencial do Sorgo como Alternativa para Segunda Safra

Com potencial para ganhar destaque nos campos, o sorgo é visto como alternativa para a segunda safra. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o Brasil deve produzir aproximadamente 3,9 milhões de toneladas de sorgo no ciclo 2022/23. Isso representa um aumento de 33,9% ante a temporada passada.

Em Mato Grosso são esperadas 172,8 mil toneladas de sorgo.

A semeadura do cereal e os motivos pelos quais o grão é uma opção para o Brasil foram os focos da quarta Live Mais Milho, desta quinta-feira (25).

———————————————————————————————-

Patrocinadores

Potencial econômico e melhorias genéticas

Nos últimos anos as taxas genéticas de sorgo foram melhoradas e com isso, os pesquisadores identificaram que a janela de plantio é maior que o próprio milho. Com isso, a chance de colocar híbridos mais tardios e com o teto produtivo maior, se consolidou. “A questão de novas tecnologias, empresas fazendo contratos futuros permitiu com que fizéssemos uma planta com o teto produtivo maior”, disse o pesquisador da Embrapa, Cícero Bezerra de Menezes.

No Brasil existem três tipos de sorgo. O granífero, com maior expressão econômica no mercado de ração, o forrageiro que é para pastagem de gado e o silageiro que corta a planta inteira, como acontece com o milho.

sorgo
Foto: Cícero Menezes/Embrapa

Para Lisane, o granífero possui maior potencial de crescimento. “O grande volume hoje do granífero é destinado para a ração que complementa o mercado de rações e substitui em 100% o milho. Com isso traz uma atratividade muito grande na questão do custo de produção”, explica.

Por se adaptar a uma ampla variação de ambientes e produzir sob condições desfavoráveis quando comparado a outros cereais, o sorgo é considerado um bom cultivo para regiões mais áridas.

Patrocinadores

Paulo Garollo explica que antes o agricultor não dava importância para a cultura. “Quando eles viram que podiam plantar o grão e que ele tem caixa produtiva com alta rentabilidade, o panorama começou a mudar. O Centro-Oeste tem grande possibilidade de ser o grande celeiro de produção de sorgo para o mundo inteiro”, afirma.

Falta conhecimento e planejamento sobre a cultura

Durante o bate-papo sobre a importância do sorgo para a economia agrícola do Brasil, Cícero Bezerra de Menezes, comentou que existe um grande potencial de crescimento, mas que existem muitas áreas paradas. A falta de pesquisadores nas universidades chama a atenção do pesquisador.

“A gente precisa de mais gente pesquisando. Hoje em dia é possível contar na mão a quantidade de pesquisadores de sorgo. O grão tem qualidade e podemos ampliar a demanda de procura por ele”, explica.

Paulo Garollo afirmou que as pessoas não conhecem no detalhe a cultura e as formas de aproveitar melhor. Por consequência disso, acabam não conseguindo mudar cultura nenhuma. “Quando olhamos a cultura da soja, é possível ver que reduzimos o ciclo e redução de biomassa. Hoje exigimos muito mais da soja e uma cultura como o sorgo nos dá a possibilidade de fazer reciclagem na palhada. Temos muita coisa para estudar e trazer como oportunidade”, pontua.

+Confira mais notícias do projeto Mais Milho no site do Canal Rural

+Confira mais notícias do projeto Mais Milho no YouTube

 

Clique aqui, entre em nossa comunidade no WhatsApp do Canal Rural Mato Grosso e receba notícias em tempo real.

Patrocinadores

————————————————————————————————–

Conclusão: O Potencial do Sorgo e a Necessidade de Mais Conhecimento

O sorgo apresenta um grande potencial econômico e agronômico no Brasil, sendo uma alternativa promissora para a segunda safra. Com melhorias genéticas e adaptação a diferentes condições ambientais, o cultivo do sorgo pode trazer benefícios significativos para a agricultura nacional. No entanto, ainda falta conhecimento e planejamento sobre a cultura, com a necessidade de mais pesquisadores e estudos aprofundados. É preciso investir no desenvolvimento da cultura do sorgo para explorar todo o seu potencial e contribuir para a economia agrícola do país.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornal Do Campo

Por que o sorgo é uma alternativa importante para a segunda safra?

O sorgo tem se destacado nos últimos anos no Brasil devido à sua tolerância à seca, alto fornecimento de palhada e resistência a pragas, como a cigarrinha-do-milho. Além disso, ele apresenta um menor custo de produção, tornando-se uma opção viável para a segunda safra.

Patrocinadores

Quais são os tipos de sorgo cultivados no Brasil?

No Brasil, existem três tipos de sorgo: granífero, utilizado principalmente na produção de ração; forrageiro, destinado à pastagem de gado; e silageiro, que é cortado inteiro para silagem, semelhante ao milho.

Qual é o potencial econômico do sorgo no mercado agrícola?

O sorgo granífero tem um grande potencial de crescimento devido à sua utilização na produção de ração, substituindo o milho em algumas situações. Isso torna o cultivo do sorgo atrativo devido ao custo de produção e à versatilidade do grão.

Quais são os benefícios do sorgo em relação a outros cereais?

O sorgo é conhecido por se adaptar a diferentes condições ambientais e por produzir sob circunstâncias desfavoráveis. Além disso, a cultura do sorgo oferece a possibilidade de reciclagem da palhada, tornando-a uma opção sustentável para a agricultura.

Por que falta conhecimento e planejamento sobre a cultura do sorgo no Brasil?

Apesar do potencial de crescimento do cultivo do sorgo, ainda existem áreas inexploradas devido à falta de pesquisadores e conhecimento aprofundado sobre a cultura. É necessário ampliar a pesquisa e a divulgação sobre os benefícios e possibilidades do sorgo na agricultura brasileira.

Patrocinadores

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornal Do Campo

Com potencial para ganhar destaque nos campos, o sorgo é visto como alternativa para a segunda safra. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o Brasil deve produzir aproximadamente 3,9 milhões de toneladas de sorgo no ciclo 2022/23. Isso representa um aumento de 33,9% ante a temporada passada.

Em Mato Grosso são esperadas 172,8 mil toneladas de sorgo.

A semeadura do cereal e os motivos pelos quais o grão é uma opção para o Brasil foram os focos da quarta Live Mais Milho, desta quinta-feira (25).

Patrocinadores
Live Mais Milho sorgo
Foto: Canal Rural Mato Grosso

Mediada pelo jornalista Olmir Cividini, a conversa contou com a presença da líder do portfólio de sorgo da Corteva, Lisane Castelli, do pesquisador da Embrapa, Cícero Bezerra de Menezes e do engenheiro agrônomo e pesquisador da Bayer, Paulo Garollo.

“O sorgo tem se tornado nos últimos cinco anos uma cultura extremamente interessante no Brasil. Primeiro porque ele é mais tolerante a seca que outros cereais, então (vai bem) em uma segunda safra, que é onde a gente corre um maior risco (hídrico).Ele possui um grande fornecimento de palhada, que é interessante para o plantio direto. Ele é mais resistente ao ataque da cigarrinha-do-milho e tem menor custo de produção”, explica Lisiane Castelli, da Corteva.

Potencial econômico e melhorias genéticas

Nos últimos anos as taxas genéticas de sorgo foram melhoradas e com isso, os pesquisadores identificaram que a janela de plantio é maior que o próprio milho. Com isso, a chance de colocar híbridos mais tardios e com o teto produtivo maior, se consolidou. “A questão de novas tecnologias, empresas fazendo contratos futuros permitiu com que fizéssemos uma planta com o teto produtivo maior”, disse o pesquisador da Embrapa, Cícero Bezerra de Menezes.

No Brasil existem três tipos de sorgo. O granífero, com maior expressão econômica no mercado de ração, o forrageiro que é para pastagem de gado e o silageiro que corta a planta inteira, como acontece com o milho.

sorgo
Foto: Cícero Menezes/Embrapa

Para Lisane, o granífero possui maior potencial de crescimento. “O grande volume hoje do granífero é destinado para a ração que complementa o mercado de rações e substitui em 100% o milho. Com isso traz uma atratividade muito grande na questão do custo de produção”, explica.

Patrocinadores

Por se adaptar a uma ampla variação de ambientes e produzir sob condições desfavoráveis quando comparado a outros cereais, o sorgo é considerado um bom cultivo para regiões mais áridas.

Paulo Garollo explica que antes o agricultor não dava importância para a cultura. “Quando eles viram que podiam plantar o grão e que ele tem caixa produtiva com alta rentabilidade, o panorama começou a mudar. O Centro-Oeste tem grande possibilidade de ser o grande celeiro de produção de sorgo para o mundo inteiro”, afirma.

Falta conhecimento e planejamento sobre a cultura

Durante o bate-papo sobre a importância do sorgo para a economia agrícola do Brasil, Cícero Bezerra de Menezes, comentou que existe um grande potencial de crescimento, mas que existem muitas áreas paradas. A falta de pesquisadores nas universidades chama a atenção do pesquisador.

“A gente precisa de mais gente pesquisando. Hoje em dia é possível contar na mão a quantidade de pesquisadores de sorgo. O grão tem qualidade e podemos ampliar a demanda de procura por ele”, explica.

Paulo Garollo afirmou que as pessoas não conhecem no detalhe a cultura e as formas de aproveitar melhor. Por consequência disso, acabam não conseguindo mudar cultura nenhuma. “Quando olhamos a cultura da soja, é possível ver que reduzimos o ciclo e redução de biomassa. Hoje exigimos muito mais da soja e uma cultura como o sorgo nos dá a possibilidade de fazer reciclagem na palhada. Temos muita coisa para estudar e trazer como oportunidade”, pontua.

+Confira mais notícias do projeto Mais Milho no site do Canal Rural

+Confira mais notícias do projeto Mais Milho no YouTube

 

Clique aqui, entre em nossa comunidade no WhatsApp do Canal Rural Mato Grosso e receba notícias em tempo real.

Verifique a Fonte Aqui

Patrocinadores

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here