Forrageira adaptada ao sombreamento potencializa integração lavoura-pecuária-floresta
Forrageira adaptada ao sombreamento potencializa integração lavoura-pecuária-floresta

Forrageira adaptada ao sombreamento potencializa integração lavoura-pecuária-floresta

Foto: Divulgação/Wolf Sementes

Algumas espécies de forrageiras demonstram grande adaptação ao sombreamento em campo. Isso tem impulsionado o investimento de produtores rurais na integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), por proporcionar bem-estar animal, aumento da produtividade e mais sustentabilidade na cadeia de produção.

Foi o que comprovou experimento conduzido pela pesquisadora Priscila Júnia Rodrigues da Cruz, em conjunto com uma equipe de especialistas. Prsicila é mestra em Zootecnia pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), doutoranda em Nutrição e Produção de Ruminantes pela Universidade Federal de Lavras (UFLA) e doutorado-sanduíche em Zootecnia pela University of Florida.

Testes com diferentes cultivares de gramíneas foram realizados no setor de Forragicultura da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), em Diamantina (MG). As parcelas foram divididas em quatro níveis de sombreamento: 0% (pleno sol), 45%, 60% e 75%. A utilização de sombrites nas unidades experimentais propiciou percentuais de sombra de 30%, 60% e 90%, respectivamente.

No experimento, levou-se em consideração os três níveis de medida de clorofila, substância responsável por captar luz e realizar fotossíntese: a, b e total (a+b). A medição desses teores foi realizada no período da manhã, por volta das 10h, após 80 e 120 dias de semeadura.

Patrocinadores

Aumento nos índices de clorofila

As leituras ocorreram no terço médio da primeira folha completamente expandida, utilizando-se um clorofilômetro. Houve aumento nos índices de clorofila a, b e total no capim-mavuno à medida que o sombreamento se intensificou, em relação às várias forrageiras avaliadas, que não foram afetadas pela sombra.

“O maior acúmulo de clorofila total na brachiaria híbrida mavuno – com acréscimo do tamanho e número de cloroplastos, melhor desenvolvimento do grana e elevação no teor de clorofila por cloroplasto – demonstrou sua adaptabilidade ao sombreamento, o que favorece o plantio do capim consorciado (ILPF)”, relata a pesquisadora Priscila sobre a conclusão do experimento em campo.

“Para se ter uma ideia, a taxa de lotação média no Brasil é de 1UA/ha. Com um bom planejamento das soluções empregadas e a prática da intensificação sustentável, é possível dobrar este número nos próximos anos”, acrescenta.

Patrocinadores

Mestre em Ciência do Solo, engenheiro agrônomo, gestor ambiental e coordenador técnico da Wolf Sementes, Edson de Castro Júnior lembra que a escolha correta da braquiária na integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) traz como vantagens competitivas a tolerância ao estresse hídrico; a incorporação de matéria orgânica com melhoria da condição do solo; a ótima adaptação ao sombreamento; um número mais elevado de animais na mesma área; e uma engorda mais rápida, pois com conforto térmico, teor de proteína adequado e palatabilidade, o gado a pasto que se alimenta com capim-mavuno traz mais rentabilidade ao produtor. “A versatilidade é o grande passo para alavancar o potencial exponencial da agropecuária brasileira, tornando-a cada vez mais produtiva, rentável e sustentável”, afirma.

 

 

Fonte

agricultura agricultura de precisão agricultura familiar agrolink agronegocio agrotoxico arroz avicultura biodiesel biotecnologia boi brasil cabras café cavalo certificação consultoria crédito rural descubra ensino à distância etanol feijão flores frutas gado gado de corte geladeiras gestão rural milho noticias ovelha para pasto pecuaria pecuária leiteira pragas na agricultura Qual saúde Animal seguro rural setor sucroenergético SOJA suinocultura Treinamento trigo Turismo rural

Patrocinadores

Patrocinadores

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here