Impacto do atraso no regime de chuvas na agricultura de Rondônia

O milho é um dos cereais mais consumidos e produzidos no mundo, sendo utilizado tanto na alimentação humana quanto animal. No Brasil, o milho é cultivado em duas épocas do ano: a primeira safra, que ocorre entre setembro e janeiro, e a segunda safra, ou safrinha, que vai de fevereiro a junho. A safrinha é responsável por cerca de 70% da produção nacional de milho, e tem ganhado cada vez mais espaço nas regiões produtoras.

Uma dessas regiões é Rondônia, que vem se destacando como um dos principais estados produtores de milho na safrinha. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a área plantada de milho na safrinha em Rondônia aumentou 32% entre 2019 e 2020, passando de 139 mil hectares para 184 mil hectares. A produção também cresceu 36%, saltando de 692 mil toneladas para 941 mil toneladas no mesmo período.

Mas o que explica esse avanço do milho na safrinha em Rondônia? Quais são os benefícios e os desafios dessa cultura para os agricultores e para o desenvolvimento do estado? Neste artigo, vamos responder essas perguntas e mostrar como o milho se tornou o protagonista da safrinha em Rondônia.

Por que o milho na safrinha?

O milho na safrinha é uma opção vantajosa para os produtores rurais que querem aproveitar melhor a sua área e aumentar a sua renda. Ao invés de deixar o solo descansando após a colheita da soja, que é a principal cultura da primeira safra em Rondônia, eles podem plantar o milho e obter uma segunda colheita no mesmo ano.

Patrocinadores

Além disso, o milho na safrinha traz benefícios agronômicos para o sistema produtivo, como a melhoria da fertilidade do solo, a redução de pragas e doenças, a diversificação de culturas e a rotação de herbicidas. O milho também contribui para a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), uma estratégia que visa aumentar a produtividade e a sustentabilidade das atividades agropecuárias.

Outro fator que favorece o milho na safrinha é o mercado. O Brasil é um dos maiores exportadores de milho do mundo, e tem uma demanda interna crescente pelo cereal, principalmente para a produção de ração animal. Com isso, os preços do milho têm se mantido em patamares elevados nos últimos anos, estimulando os produtores a investirem na cultura.

Quais são os benefícios do milho na safrinha para Rondônia?

O milho na safrinha tem um papel importante para o desenvolvimento econômico e social de Rondônia. A cultura gera emprego e renda para os agricultores familiares, que representam cerca de 80% dos produtores de milho no estado, segundo a Emater-RO. O milho também ajuda a diversificar a matriz produtiva do estado, que tem forte dependência da pecuária bovina.

Além disso, o milho na safrinha fortalece a cadeia produtiva do agronegócio em Rondônia, que envolve desde a produção de sementes, fertilizantes e defensivos até o beneficiamento, armazenamento e transporte do cereal. O milho também impulsiona outros segmentos da agroindústria, como a produção de etanol, óleo, farinha e fubá.

Patrocinadores

Outro benefício do milho na safrinha para Rondônia é o potencial para a exportação. O estado tem uma localização estratégica na região Norte, com acesso aos portos do Pacífico por meio da rodovia Interoceânica. Isso facilita o escoamento do milho para países como Peru, Bolívia e Chile, que são mercados consumidores do cereal.

Quais são os desafios do milho na safrinha em Rondônia?

Apesar dos benefícios, o milho na safrinha também enfrenta alguns desafios em Rondônia. Um deles é o clima. A safrinha coincide com o período de menor precipitação no estado, o que pode afetar o desenvolvimento e a produtividade da cultura. Por isso, é importante que os produtores façam o manejo adequado do solo e da água, e utilizem variedades adaptadas às condições locais.

Outro desafio é a infraestrutura. Rondônia ainda tem deficiências na sua capacidade de armazenamento e transporte do milho, o que pode gerar perdas e custos adicionais para os produtores. Por isso, é necessário que haja investimentos públicos e privados para melhorar a logística e a competitividade do milho no estado.

Um terceiro desafio é a assistência técnica. Muitos produtores de milho em Rondônia ainda não têm acesso a informações e orientações sobre as melhores práticas de cultivo, manejo e comercialização do cereal. Por isso, é fundamental que haja uma maior difusão de tecnologias e conhecimentos para aumentar a eficiência e a qualidade da produção de milho no estado.

Patrocinadores

Conclusão

O milho é o protagonista da safrinha em Rondônia, uma cultura que traz benefícios econômicos, sociais e ambientais para o estado. O milho na safrinha aproveita melhor a área, aumenta a renda dos produtores, melhora a fertilidade do solo, diversifica a matriz produtiva, fortalece a cadeia do agronegócio e abre novas oportunidades de mercado.

No entanto, o milho na safrinha também enfrenta alguns desafios em Rondônia, como o clima, a infraestrutura e a assistência técnica. Para superá-los, é preciso que haja uma maior integração entre os agentes envolvidos na produção de milho no estado, desde os agricultores até os governos e as instituições de pesquisa e extensão.

O milho na safrinha é uma realidade em Rondônia, mas pode ser ainda mais expressivo se forem adotadas medidas para melhorar o seu potencial produtivo e competitivo. O milho na safrinha é uma oportunidade para Rondônia se consolidar como um dos principais estados produtores de milho no Brasil.

O milho e sua concorrência com outras culturas

Muitos produtores em Rondônia estão estudando opções de culturas agrícolas para a segunda safra, devido ao atraso no regime de chuvas. O milho, que teve sua área aumentada em 103% na última década, segue na preferência dos agricultores. No entanto, o sorgo e forrageiras para cobertura do solo estão competindo pela atenção dos produtores este ano.

Patrocinadores

Culturas superprecoces e alternativas rentáveis

O plantio tardio da soja está levando os produtores a optarem por variedades superprecoces de milho, como o SHU6211, além do sorgo, como o SHU511, devido à competividade de preços. Além disso, parte das áreas do milho safrinha está sendo destinada ao cultivo de forrageiras, como Brachiaria ruziziensis e milheto, para manejo do solo e formação de palhada. Outra opção rentável ao milho é o cultivo do sorgo granífero, para comercialização junto aos pecuaristas e confinadores de bovinos de corte.

O impacto nos plantios de verão

De acordo com o Boletim da Safra de Grãos da Conab, o atraso nos plantios de verão em Rondônia tem sido evidente, com 5% das áreas de soja ainda não semeadas em janeiro e 10% em fase de emergência. O especialista estima que a redução na área de milho safrinha no estado possa chegar a 30% em relação à safra anterior, com a produção caindo em torno de 40%.

A preferência pelo milho na agricultura de Rondônia

O aumento significativo na área e produtividade de milho em Rondônia tem sido observado nos últimos anos, tornando-o uma das principais culturas agrícolas do estado. No entanto, o atraso no regime de chuvas tem impactado significativamente a produção, fazendo com que os produtores busquem alternativas rentáveis para a segunda safra.

A Shull Seeds, empresa brasileira especializada em genética de milho e sorgo, tem sido uma parceira do produtor rural em Rondônia, oferecendo opções de híbridos de milho e sorgo adequados às condições climáticas e de mercado. A representação da Shull em Rondônia pode ser contatada pelo engenheiro agrônomo Fernando Dutra, que está sugerindo alternativas aos produtores em resposta ao atraso no regime de chuvas na região.

Patrocinadores

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornal Do Campo

O atraso no regime de chuvas em Rondônia (RO), que em muitas áreas chegou com regularidade apenas no mês de dezembro de 2023, tem feito o produtor rural estudar melhor as opções de culturas agrícolas para a segunda safra.

O milho, protagonista da segunda safra, e cuja área cresceu 103% na última década, segue na preferência dos produtores. Entretanto, disputa espaço este ano com outras culturas como o sorgo e até mesmo com forrageiras que servem para cobertura de solo no inverno.

“Em dezembro ainda havia muita gente terminando o plantio de soja, o que joga a semeadura de grandes áreas de safrinha para março, fora da janela ideal para o milho. Por isso, a indicação agora é por variedades superprecoces como o SHU6211, com tecnologia Trecepta, ou, em alguns casos para o sorgo, como o SHU511, cujos preços tendem a ficar competitivos”, sugere o engenheiro Agrônomo Fernando Dutra, o representante da Shull Seeds, empresa 100% brasileira especializada em genética de milho e sorgo.

Patrocinadores

O especialista, que é mestre em agronomia pela Universidade Federal da Grande Dourados e atua há 14 anos em Rondônia, destaca que alguns produtores também tendem a desistir de parte das áreas do milho safrinha devido ao encurtamento da janela de plantio, para optar por semear parte das áreas de lavoura com forrageiras como Brachiaria ruziziensis e milheto, para manejo do solo e formação de palhada. Outra opção rentável além do milho é cultivar o sorgo granífero, para comercialização junto aos pecuaristas e confinadores de bovinos de corte, atividade tradicional que também se fortalece no estado.

O representante da Shull em Rondônia detalha que com o preço da saca de 60 quilos de milho no mercado futuro cotado em torno dos R$ 67,00, para contrato vencimento setembro de 2024 (CCMU2024 na B3), o produtor rural passa a ter vantagens também com o sorgo.

“Normalmente o sorgo é comercializado por 70% do preço da saca de milho. Porém, em épocas de alta de preço do milho ou de escassez de grãos, o que tende a acontecer nesse ano, esse percentual pode chegar aos 80%; podendo crescer a área de plantio de sorgo destinado a confinamento. O mercado acaba substituindo o milho pelo sorgo para alimentação animal e o produtor destina o ‘milho grão’ para comercialização, melhorando sua lucratividade”, explica o agrônomo.

O mais recente Boletim da Safra de Grãos da Conab, divulgado dia 10 de janeiro, reforça o atraso nos plantios de verão no estado. O documento aponta que 5% das áreas de soja ainda não haviam sido semeadas em janeiro sendo que 10% estavam em fase de emergência. O Boletim destaca também que diversas áreas já plantadas necessitaram de replantio devido à irregularidade das chuvas e altas temperaturas.

Patrocinadores

O especialista estima que a redução na área de milho safrinha no estado possa chegar a 30% em relação à safra anterior e que a produção deve cair em torno de 40% em relação a safrinha passada, que seria equivalente a uma redução de 30% da produtividade histórica do estado. Sua recomendação, no entanto, é que cada produtor deve seguir seu planejamento com base nas recomendações agronômicas e no plano de manejo.

“A realidade do clima tem sido diferente em cada área. Na região de Vilhena, por exemplo, a falta de chuvas não impactou nem 10% das lavouras de verão. Já em Chupinguaia, Cabixi, Cerejeiras, Corumbiara o impacto é de 20 a 30%. Outras áreas do estado o impacto oscilou de 30 a 55%, como é o caso das cidades do Vale do Jamari e de Porto Velho e seus distritos”, detalha o especialista.

Milho protagonista

Os boletins de safra da Conab apontam que a área total de milho na safra 2013/14 em Rondônia foi de 159 mil hectares contra 303,4 mil hectares em 2022/23. Já a produtividade média no estado subiu de 3.051 quilos por hectare para 5.183 kg/ha. Com isso, a produção de milho no estado apresentou um salto de 245% indo de 455,5 mil toneladas para 1.572,4 mil toneladas.

Segundo o Boletim Agropecuário de Rondônia da Embrapa, divulgado em outubro, na safra 2022/2023 a de grãos área plantada em Rondônia cresceu 20% em comparação à safra 2021/2022 e produção recorde de 3.757,6 mil toneladas, um aumento de 20,4% em relação ao ciclo anterior. Soja e milho hoje são as principais culturas agrícolas do estado, respondendo por 96% do total de grãos produzidos.

A área plantada com milho segunda safra no ciclo 2022/2023 cresceu 20,4% em relação à safra 2021/2022, alcançando 288,7 mil hectares. A produção estimada foi de 1,5 milhão de toneladas, 19,4% maior do que a anterior.

Shull Seeds

A Shull Seeds é uma empresa 100% brasileira dedicada a oferecer ao produtor rural as melhores opções em híbridos de milho e sorgo. Com sede em Ribeirão Preto (SP), a companhia foi fundada em 2016 e está em sua terceira safra comercial. A qualidade de seu portfólio, resultado de pesquisa genética própria, tem permitido à empresa dobrar suas vendas ano a ano. Conheça mais em https://shullseeds.com/  ou no instagram @shullseeds. Em Rondônia a Shull é representada pela FertiRON. Interessados em conhecer suas soluções podem entrar em contato com Fernando Dutra pelo fone (69) 99996-3985

FAQ sobre a segunda safra agrícola em Rondônia

O que está causando a necessidade de os produtores estudarem opções de culturas agrícolas para a segunda safra em Rondônia?

O atraso no regime de chuvas em Rondônia em 2023 tem feito os produtores rurais estudarem melhor as opções de culturas agrícolas para a segunda safra, já que muitas áreas só receberam chuvas regulares no mês de dezembro.

Quais são as principais culturas que estão disputando espaço com o milho na segunda safra em Rondônia?

Além do milho, o sorgo e as forrageiras, que servem para cobertura do solo no inverno, estão disputando espaço como opções para a segunda safra em Rondônia.

Quais são as recomendações para os produtores em relação ao plantio de milho safrinha neste cenário?

Para evitar o impacto do atraso no plantio de soja, a recomendação é optar por variedades superprecoces de milho, como o SHU6211, ou considerar o cultivo de sorgo, como o SHU511, cujos preços tendem a ficar competitivos.

Como o atraso no regime de chuvas está impactando a produção de milho safrinha em Rondônia?

Estima-se que a redução na área de milho safrinha no estado possa chegar a 30% em relação à safra anterior e que a produção deve cair em torno de 40% em relação à safra anterior.

Quais são as projeções em relação à produção de milho safrinha em Rondônia?

Estima-se que a produção de milho safrinha em Rondônia possa sofrer uma redução de 40% em relação à safra anterior, o que representa um impacto significativo para o estado.

O atraso no regime de chuvas em Rondônia (RO), que em muitas áreas chegou com regularidade apenas no mês de dezembro de 2023, tem feito o produtor rural estudar melhor as opções de culturas agrícolas para a segunda safra.

Verifique a Fonte Aqui

Patrocinadores

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here