Título: Sistemas de Criação de Bezerros Leiteiros

1: Instalações para Bezerras Leiteiras

Na fase inicial e em fases mais tardias, as instalações para bezerras leiteiras devem ser projetadas para fornecer um ambiente confortável, garantindo proteção dos extremos térmicos e climáticos, além de ser higiênico e seguro para o desenvolvimento saudável dos animais.

2: Sistema Individual

Patrocinadores

Os sistemas individuais têm a vantagem de menor disseminação de doenças, porém, a menor interação social e movimentação entre as bezerras é uma desvantagem. Dentre os modelos de instalações individuais, destacam-se a casinha tropical, o bezerreiro argentino e as gaiolas.

3: Casinha Tropical

O modelo de casinha tropical oferece proteção contra variações climáticas e permite fácil desinfecção e limpeza do local. No entanto, não é indicado para grande número de animais, devido à necessidade de grande área e à dificuldade de manejo em dias chuvosos.

4: Bezerreiro Argentino ou Tropical

Patrocinadores

O bezerreiro “cordinha” proporciona liberdade de movimento para as bezerras, além de permitir uma maior incidência de raios solares. No entanto, é essencial atentar à disposição das bezerras para evitar contato direto entre elas.

5: Gaiolas

Nas gaiolas individuais, cada bezerra tem seu espaço, possibilitando um controle preciso do ambiente e maior biossegurança. A fácil higienização e promoção da saúde dos animais são pontos positivos desse sistema.

Conclusão:
A escolha do modelo de sistema de criação de bezerras leiteiras depende das necessidades específicas de cada fazenda, considerando os aspectos sanitários, comportamentais e de manejo dos animais. A garantia de um ambiente confortável e seguro é essencial para o desenvolvimento saudável das bezerras.
Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornal Do Campo

Patrocinadores

Há no mercado vários modelos de sistemas de criação de bezerras, e não existe um que se adapte em todas as situações, uma vez que mesmo em instalações excelentes os resultados ruins podem aparecer se o manejo não for executado adequadamente.

As instalações para bezerras leiteiras tanto na fase inicial quanto em fases mais tardias devem ser projetadas para fornecer um ambiente confortável garantindo proteção dos extremos térmicos e climáticos, higiênico e seguro para o desenvolvimento saudável dos animais.

Quanto aos modelos de instalações, elas podem ser de forma individual ou coletiva. 

Sem tempo para ler agora? Baixe este artigo em PDF!

Patrocinadores

Sistema individual

Os sistemas com modelo individual têm como maior vantagem a menor disseminação de doenças, porém apresentam como desvantagem a menor interação social e movimentação entre as bezerras. Dentro do modelo são mais comuns dois tipos de abrigos:

Casinha tropical

O modelo de criação de casinha tropical constitui em abrigos cobertos que proporcionam às bezerras proteção a variações climáticas, como chuva e vento forte, estes podem ser móveis e reutilizáveis, o que gera baixo custo de manutenção.

Em geral as casinhas possuem 1,0m de largura x 1,45m de profundidade, altura de 1,35m na parte da frente e 1,25m na parte de trás. Este modelo permite uma boa inclinação da cobertura da casinha, desta forma evita-se a entrada de água em dias de chuva e aumenta a projeção de sombra.

Sistema de alojamento do tipo casinha tropical
Sistema de alojamento do tipo casinha tropical

Sistema de alojamento tipo casinha tropical, onde as casinhas possibilitam a proteção de chuva e ventos fortes. Fonte: Acervo pessoal Rehagro.

Patrocinadores

O modelo apresenta como vantagem a fácil desinfecção e limpeza do local, uma vez que estes são mais bem monitorados.

No entanto, não é indicado para a criação de grande número de animais, já que à necessidade de grande área, para disposição correta das casinhas e sua adequada mudança, além da dificuldade do manejo do cuidador em dias chuvosos.

Banner curso Pós-Graduação em Pecuária Leiteira
Banner curso Pós-Graduação em Pecuária Leiteira

Bezerreiro Argentino ou tropical

Conhecido popularmente como bezerreiro de “cordinha”, possui um fio de 10 a 12m, a depender da disponibilidade de espaço na fazenda, com uma corrente acoplada de 1m que permite a bezerra o deslocamento de um lado para o outro.

Além disso, deve-se atentar a distância entre uma linha e outra de bezerras para evitar o contato direto entre as bezerras.  Disposto a uma área maior, o animal tem a liberdade de escolher o local para deitar-se, com livre acesso a água e cocho de alimentação. 

Patrocinadores

O posicionamento do sistema construído no sentido norte-sul permite uma maior incidência de raios solares, diminuindo a umidade presente no solo, proeminente de urina e fezes dos animais, o que consequentemente minimiza a proliferação de microrganismos patogênico, além de que uma maior área de espaço permite que os animais não urinem e nem defequem em um mesmo local.

Bezerreiro do tipo argentino
Bezerreiro do tipo argentino

Bezerreiro do tipo argentino, onde tem-se a disposição um sombrite que confere sombreamento para as bezerras. A imagem demonstra que os animais se mantêm presos por uma corda, a qual tem o tamanho exato para evitar o contato direto entre as bezerras vizinhas. Fonte: Acervo pessoal Rehagro.

Gaiolas

Nesse sistema, cada bezerra é alojada em uma gaiola individual desde o nascimento até uma determinada idade ou estágio de crescimento.

Nele, cada bezerra tem seu espaço individual o que possibilita um controle mais preciso do ambiente, do monitoramento da ingestão de alimentos e consumo de água e cuidados individuais, além de promover a detecção precoce de problemas de saúde e acompanhamento do desenvolvimento da bezerra.

Patrocinadores
Sistema de alojamento de gaiolas suspensas
Sistema de alojamento de gaiolas suspensas

Bezerras alojadas em sistema de gaiolas suspensas. Fonte: Acervo pessoal Rehagro.

Em relação a recomendação de dimensionamento das gaiolas individuais, temos ela sendo de 1 metro de largura x 1,45 metros de profundidade e em relação a altura, o ideal é 1,35 metros.

Além disso, é importante uma boa inclinação do telhado e boa largura do beiral, a fim de evitar a entrada de água em dias chuvosos e aumentar a projeção de sombra.

Quanto ao dimensionamento dos galpões para bezerras em aleitamento temos:

  • Largura de no máximo 12 metros.
  • Pé direito de 3 metros.
  • Beiral de no mínimo 1 metro e também 1 metro entre o fim das gaiolas e as extremidades do barracão.

Nesse sistema de gaiolas individualizadas tem-se a facilidade de higienização e promoção de maior biossegurança por evitar o contato direto entre as bezerras, reduzindo o risco de transmissão de doenças entre os animais.

Em relação ao tempo de permanência no sistema de gaiolas, isso irá depender das práticas específicas de cada fazenda, entretanto, as bezerras geralmente são transferidas para outro sistema de alojamento, como por exemplo baias coletivas quando atingem determinado estágio de crescimento ou idade.

Sistema coletivo

Nos sistemas com modelo coletivo as bezerras são alojadas em piquetes ou baias, e apresentam como maior vantagem o desenvolvimento social e comportamental dos animais.

Porém tem como desvantagem a maior possibilidade de propagação de doenças devido à maior interação dos animais e dificuldade de isolamento, exigindo funcionários mais atentos e bem treinados para detecção de problemas sanitários relacionados às bezerras, além de não ser benéfico trabalhar com lotes muito grandes.

Sistemas de piquetes a céu aberto

Nos sistemas de piquetes a céu aberto o local deve ter disponibilidade de água limpa e cocho de alimentação, além de possuir terreno bem drenado, com cobertura vegetal mínima e sombra, no entanto o sistema enfrenta desafio principalmente no período de chuva, uma vez que há grande dificuldade para evitar a lama.

Sistema de alojamento coletivo do tipo piquetes.
Sistema de alojamento coletivo do tipo piquetes.

Bezerras em sistema de alojamento coletivo do tipo piquetes. Fonte: Acervo pessoal Rehagro.

Como alternativa para evitar os desafios com a lama, podemos citar alguns pontos de atenção:

  • Certificar que no local tenha drenagem adequada da água, o que inclui o direcionamento correto das águas pluviais e atentar a superfície dos locais mais predispostos a lama, utilizando uma superfície que auxilie reduzindo o acúmulo de água, como brita e cascalho.
  • Dividir os piquetes em áreas menores e utilizar o sistema de piquetes rotacionados a fim de diminuir a sobrecarga dos animais em uma área.
  • Ajustar o manejo de pastejo para evitar o superpastejo da área e consequentemente deixar o solo exposto e predispor a formação de lama.
  • Adicionar materiais absorventes em área que se tem a formação de lama, onde os materiais como maravalha, serragem e palha, ajudam a absorver a umidade e minimizar a formação da lama.

Confinamento coberto

O confinamento coberto dos animais é um modelo que utiliza cobertura de alvenaria e cama de maravalha, o que exige um maior investimento por meio da propriedade.

Os animais são separados em lotes, permitindo a manifestação de comportamentos recreativos entre as bezerras do grupo.

A socialização tem como vantagem o incentivo a ingestão de alimentos sólidos mais cedo, através do exemplo, uma vez que as mais novas observam as mais velhas comendo e aprendem mais cedo, o que gera uma transição do leite a dieta sólida de maneira mais suave em animais alojados em grupos.

Sistema coletivo em confinamento
Sistema coletivo em confinamento

Bezerras alojadas em sistema coletivo em confinamento. Fonte: Acervo pessoal Rehagro.

Uma das maiores desvantagens desse sistema é a disseminação de doenças, o que pode ser atribuída a fatores relacionados ao ambiente e ao manejo dos animais. Também existe a possibilidade de desenvolvimento de estereotipias como a mamada cruzada, ingerir urina, além da falta do controle de consumo individual da dieta.

Este sistema então exige maior atenção da mão de obra em relação aos animais do lote, a fim de trabalhar de forma adequada no monitoramento da saúde dos animais e também nas questões de manejo, como a higiene. 

E-book criação de bezerras leiteiras
E-book criação de bezerras leiteiras

Principais requisitos importantes dos bezerreiros

Existem algumas características importantes que devem ser consideradas na construção de instalações para bezerras leiteiras:

Ventilação

Nesse aspecto, é importante ressaltar a importância de uma ventilação adequada e equilibrada, evitando correntes de ar excessivas, as quais podem causar desconforto às bezerras, onde é preconizada que a velocidade do vento seja de 0,50 metros por segundo. 

Além disso, é importante levar em conta as necessidades específicas da criação de bezerras, as condições climáticas de cada região e também estar atento em sistemas de criação individual com gaiolas, quando se tem a construção de três ou mais fileiras de gaiolas no mesmo galpão, onde a fileira do meio pode ser prejudicada quanto a troca de ar.

Saúde respiratória de bezerras leiteiras

Garantir uma boa ventilação nas instalações das bezerras leiteiras é de extrema importância, pois ter uma ventilação adequada ajuda manter o ar fresco e limpo, reduzindo a concentração de poeira e gases prejudiciais no ambiente contribuindo assim para a saúde respiratória dos animais.

Como exemplo, podemos citar a amônia, a qual quando é acumulada no ambiente pode ocasionar ciliostase respiratória (não ocorrendo a liberação de uma camada fluida de muco do aparelho respiratório), o que prejudica o funcionamento adequado do sistema e a capacidade de eliminar a contaminação por patógenos e impurezas inaladas.

Controle de umidade

Uma ventilação adequada ajuda a evitar um ambiente propício para o crescimento de bactérias e fungos, os quais podem elevar o risco de doenças como diarreia e afecções de casco.

Além da ventilação outro ponto que influencia no controle da umidade é a troca frequente da cama em sistemas que ela esteja presente e em bezerreiros tropicais o posicionamento da construção no sentido norte-sul proporcionando irradiação solar é um controle de umidade.

Regulação da temperatura

Se tivermos uma ventilação adequada, ela irá desempenhar um papel crucial na regulação de temperatura ambiente.

Quando temos um clima frio, ter uma boa troca de ar na instalação ajuda evitar o acúmulo de umidade de condensação, evitando um cenário com bezerras molhadas e frias.

Já em climas quentes a circulação do ar auxilia na dissipação do calor, reduzindo o estresse térmico nas bezerras.

Área de descanso

É importante que as bezerras detenham um espaço confortável e que garanta bem-estar para descansar e dormir.

Superfície

Na área de descanso é fundamental que tenha uma superfície macia e confortável para que o momento de dormir e descansar seja adequado.

É importante atentar ao material utilizado na superfície dos animais, pois deve ser promovida o amortecimento das articulações e evitar formação de úlceras de decúbito, diante disso, algumas opções de materiais são de comum utilização, como uso de palha, feno e serragem.

Ainda nesse aspecto, além da importância de promover uma superfície adequada à bezerra, devemos nos atentar ao volume de cama, o qual deverá possibilitar um bom aninhamento, principalmente quando se trata de bezerras mais novas.

É possível avaliar o escore de aninhamento das bezerras a partir da observação do posicionamento dos animais nas camas. O escore consiste em uma escala de 1 a 3 e demonstra como está o conforto dos animais perante a temperatura ambiente.

  • Escore 1: Situação onde todas as patas estão totalmente descobertas, onde é fornecido pouca ou nenhuma proteção contra temperaturas amenas.
  • Escore 2: Situação onde boa parte das patas estão descobertas e já é possível observar os cascos da bezerra. Esse escore demonstra que as bezerras tendem a ficar desprotegidas do frio em alguns momentos.
  • Escore 3: Situação onde as patas da bezerra estão bem cobertas pelo material da cama, impossibilitando enxergar os cascos. Esse escore representa boa proteção contra o frio.
Bezerra no sistema de gaiola
Bezerra no sistema de gaiola

Bezerra alojada em sistema de gaiola, onde é possível observar a disposição de palha na superfície, conferindo aninhamento escore 3 ao animal. Fonte: Acervo pessoal Rehagro.

Limpeza

Fundamental que essa área seja limpa e higiênica, onde os materiais das camas devem ser trocados de forma regular, aliada a limpeza e desinfecção do espaço a fim de prevenir doenças e garantir conforto.

No contexto de limpeza de baias e gaiolas de bezerras, existem protocolos definidos, como por exemplo esse disposto pelo programa Alta Cria:

  1. Remova todo o material de cama: Após a remoção do material da cama, use vassoura para varrer o restante mais grosso;
  2. Mergulhe em água: Molhe bem o bezerreiro com água usando uma mangueira de jardim. Aplique a água começando no ponto mais alto e termine a lavagem no ponto mais baixo, como em um dreno de piso;
  3. Limpeza com espuma alcalina: Aplique detergente alcalino (pH 11 a 12), usando equipamento portátil (air compressor) que produza espuma, sem ar ou com ar. Comece no ponto mais baixo do bezerreiro e termine no ponto mais alto. Aplique a espuma de detergente alcalino, uniformemente, em todas as superfícies. Use tiras indicadoras de pH para verificar se o pH do detergente alcalino está correto;
  4. Deixe as superfícies de molho por, pelo menos, 10 a 15 minutos. Não permita que o detergente alcalino espumante seque. Se necessário, coloque mais espuma.
  5. Enxágue: Enxágue com muita água, usando mangueira de jardim, do ponto mais alto ao ponto mais baixo do bezerreiro;
  6. Limpeza com espuma ácida: Aplique espuma de detergente ácido (pH 3 a 4) usando equipamento portátil (air compressor) que produza espuma. Comece no ponto mais baixo do bezerreiro e termine no ponto mais alto. Aplique a espuma de detergente ácido, uniformemente, em todas as superfícies. Use tiras indicadoras de pH para verificar se o pH do detergente está correto;
  7. Mais uma vez, deixe tudo de molho por, pelo menos, 10 a 15 minutos. Não permita que a espuma de detergente ácido seque;
  8. Enxágue: Enxágue, abundantemente, com água, usando mangueira de jardim, indo do ponto mais alto ao ponto mais baixo da instalação e das gaiolas ou baias;
  9. Secagem: Deixe o bezerreiro secar, completamente, antes de aplicar o desinfetante;
  10. Desinfecção: 12 a 24 horas antes da entrada dos animais, desinfete o bezerreiro com solução de 250 ppm de dióxido de cloro, passando do ponto mais alto ao ponto mais baixo. O desinfetante deve ficar em contato com a instalação por 5 a 10 minutos. Um pulverizador de mão com vedações de borracha ou um aplicador de espuma sem ar pode ser usado para aplicar o dióxido de cloro. É vital que a concentração do dióxido de cloro esteja correta. Ao usar dióxido de cloro em concentrações superiores a 200 ppm, use óculos de proteção, máscara respiratória, luvas e macacões apropriados para trabalhos de desinfecção.

É importante ressaltar que em casos de bezerreiros abertos, como é o caso do bezerreiro tropical, a incidência de radiação solar desempenha um papel muito importante de desinfecção.

Já em bezerreiros de sistema individual, como é o caso de gaiolas, existem protocolos básicos padronizados de limpeza das instalações.

Espaço adequado

O dimensionamento da área deve estar de acordo com o número de bezerras acomodadas, evitando a superlotação e permitindo que cada uma tenha um espaço suficiente para deitar e levantar de maneira confortável.

Pensando então no dimensionamento de espaço adequado, existem alguns pontos a serem considerados como as diretrizes de bem-estar animal e práticas de manejo da fazenda, entretanto, tem-se algumas recomendações relacionadas com cada fase da vida dos animais.

Proteção contra intempéries

Mesmo que as bezerras estejam alojadas em ambientes externos ou semiabertos é importante que seja fornecida a proteção contra intempéries como chuva, vento e sol.

Isso pode ser feito a partir da construção de abrigos adicionais, coberturas ou estruturas que contribuem para manter seca e protegida a área de descanso.

Bezerreiro do tipo argentino com más condições de higiene e limpeza
Bezerreiro do tipo argentino com más condições de higiene e limpeza

Imagem de um bezerreiro do tipo argentino sendo notório a área de descanso do animal (debaixo do sombrite) em condições não ideais, conferindo um ambiente molhado e sujo, o que provavelmente ocorre devido a instalação do bebedouro e cocho de ração em local incorreto nessa área. Fonte: Acervo pessoal Rehagro.

Alimentação e hidratação

É fundamental que seja fornecido um local separado para a alimentação e hidratação das bezerras, onde pode-se ter uma área com cochos individuais ou baias com alimentadores a fim de garantir que cada uma consiga consumir a quantidade correta de leite e dieta sólida na fase de aleitamento e a dieta sólida em fases posteriores.

Quanto à disponibilização de água, deve ser garantido que ela seja limpa e fresca, tendo estabelecida uma rotina de limpeza de pelo menos uma vez a cada dois dias e que esteja disponível em bebedouros de fácil acesso e o tempo todo para as bezerras.

Bezerras em sistema de compost barn
Bezerras em sistema de compost barn

Bezerras em fase de recria alojadas em sistema de Compost Barn, sendo possível visualizar a disponibilidade de comida na pista de alimentação. Fonte: Acervo pessoal Rehagro.

Bebedouros em um bezerreiro
Bebedouros em um bezerreiro

Exemplo de bebedouro para animais em bezerreiro, onde há necessidade de uma simples instalação e conta com facilidade de manejo de limpeza. Fonte: Acervo pessoal Rehagro.

Sanitização

As instalações das bezerras devem passar frequentemente por limpeza a fim de remover a sujeira, resíduos e materiais orgânicos e também por desinfecção, utilizando produtos adequados e que promovam eficácia contra patógenos específicos e segurança aos animais e pessoas envolvidas na operação.

Importante ressaltar que o uso de materiais de construção não porosos possibilita maior facilidade de limpeza e por isso são recomendados.  Além disso, outro ponto muito importante é a implementação de vazio sanitário, o qual se trata de um período em que os bezerros são retirados das instalações.

Dentro as importâncias de realizar o vazio sanitário, podemos citar:

  • Prevenir a propagação de doenças e garantir um ambiente adequado para o crescimento e desenvolvimento das bezerras, pois o vazio pode promover a redução da carga microbiana no ambiente, reduzindo a chance de transmissão de patógenos de um animal para outro.
  • Controle de parasitas internos e externos, pois ao remover as bezerras do local e realizar a limpeza completa, pode ser possível eliminar os ovos, larvas e parasitas adultos presentes no ambiente.
  • Oportunidade de limpeza do local antes ocupado pelas bezerras, removendo todas as sujidades, inclusive a matéria orgânica presente, além de também ser o momento ideal para higienização dos materiais da instalação, como por exemplo a sanitização das gaiolas ou casinhas tropicais.

Conclusão

De forma geral, quando se trata do modelo de instalação para criação de bezerras leiteiras não existe o certo ou errado, e nem existe o sistema considerado o melhor para todas as fazendas e situações.

A escolha do sistema de alojamento depende de vários fatores, incluindo os recursos disponíveis na propriedade, tamanho do rebanho, condições climáticas e até mesmo os objetivos da propriedade.

Entretanto, é indispensável sempre levar em consideração o bem-estar e a saúde das bezerras, além de buscar orientações de especialistas para que sejam consideradas as necessidades específicas da fazenda e assim implementar com sucesso o sistema de alojamento mais adequado para o desenvolvimento das bezerras.

Quer dominar todas as principais áreas de uma propriedade leiteira?

Caso você tenha interesse em aprofundar seu conhecimento sobre nutrição, reprodução, criação de bezerras, controle da mastite e qualidade do leite, gestão financeira, sanidade e mais, venha conhecer a Pós-Graduação em Pecuária Leiteira.

Em formato 100% online, a especialização conta com aulas gravadas e videoconferências ao vivo para tirar todas as suas dúvidas. Além disso, você tem a oportunidade de fazer um networking de alta qualidade com profissionais de todo o Brasil.

O conteúdo tem foco prático e aplicável, sendo dado por professores que têm ampla experiência na pecuária leiteira.

Ficou interessado? Venha saber mais informações clicando no link abaixo.

Pós-Graduação em Pecuária Leiteira
Pós-Graduação em Pecuária Leiteira

Laryssa Mendonça
Laryssa Mendonça

Beatriz dos Santos - Equipe Leite Rehagro
Beatriz dos Santos - Equipe Leite Rehagro

de muco que reveste a parede interna do nariz), tosse, além de irritação das mucosas do trato respiratório. A amônia, proveniente da decomposição da urina, pode estar presente no sistema mesmo que ele esteja bem ventilado, a ventilação adequada somente proporciona o espalhamento dos gases, tornando o ambiente mais salubre.

Suplementação de vitamina DPor fim, é importante para um bom desenvolvimento do animal estar atento a suplementação com vitamina D, já que as bezerras nascem com baixos níveis dessa vitamina e ela influencia tanto na resistência óssea quanto na formação do sistema imune.

É necessário que se tenha a exposição da luz solar na criação do bezerreiro natural, o que nem sempre pode ser garantido nas criações em locais cobertos como confinamento coberto, gaiolas individuais ou em locais com muitas árvores.Portanto, a suplementação pode ser uma ação necessária, sendo de extrema importância a busca de orientações de profissionais capacitados.   

 Porém, a escolha do bezerreiro vai depender de diversos fatores, como o sistema de produção, o clima da região, a capacidade de investimento e a disponibilidade de mão de obra.

Outro ponto importante é garantir que as instalações estejam de acordo com as normativas e legislação vigente.  Então, consulte sempre um profissional capacitado antes de iniciar um projeto de construção de bezerreiro.


Está informação foi útil? Poderia melhorar? Dê sua opinião abaixo, avalie e compartilhe com alguém que você conhece e que precisa dessas informações para um melhor manejo de bezerras leiteiras.

### Glossário
1. Bezerra: É a cria da vaca, do nascimento até o desmame
2. Ciliostase: Acúmulo de poeira e gases em um ambiente
3. Biossegurança: Conjunto de medidas(?) preventivas, para minimizar risco de transmissão de doenças
4. Estereotipias: São comportamentos repetitivos, aparentemente sem propósito, que tomam o lugar de comportamento normal*
5. Suplementação: Complemento nutricional, minerais etc.

### Referências

– ACquila, M.A.G.; TEIXEIRA, D.E.; FERNANDES, L.M. 2020. Boviplan: um app para desenvolvimento, manejo, avaliação e acompanhamento de bovinos de corte e leite. Rehagro, MG.
– TERRA, GUSTAVO. ; 2014. Construção de bezerreiros. Disponível em: <http://www.sitio.shoot.lt/wp-content/blogs.dir/8/files/2014/10/Bezerreiro.pdf>. Acesso em Nov. 2021

Este é um artigo informativo, produzido por especialistas e revisado por médicos veterinários. Todo o conteúdo tem caráter educativo e não é um substituto para diagnóstico e orientação profissional, tendo em vista a complexidade de cada caso. No caso de dúvidas, consulte um médico veterinário.

Verifique a Fonte Aqui

Patrocinadores

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here