Pular para o conteúdo
Patrocinadores

Chuva toma alívio em áreas do parque do café, mas o momento ainda é tenso…

Novo período muito longo sem chuva pode comprometer recuperação da produção de arábica

A colheita da 22ª safra de café arábica no Brasil atingiu 71% no principal estado produtor do país, segundo dados da Cooxupé divulgados nesta quarta-feira (10). Atrasada, a safra nem terminou e as atenções do setor cafeeiro, do campo à xícara, continuam sendo as condições climáticas e a safra de 2023 – até então indicada como um ano de recuperação na produção de arábicas.

Há mais de 100 dias sem chuva no sul de Minas Gerais, choveu em algumas áreas do parque cafeeiro entre a madrugada e a manhã desta quarta-feira (10), segundo informações de Alysson Fagundes, pesquisador da Fundação Procafé.

Alysson diz que as chuvas trazem algum alívio, mas ainda não resolvem o problema de déficit hídrico que já vinha sendo observado nas principais áreas de arábica do sul de Minas Gerais.

Patrocinadores

“Chuva de 10mm a 30mm, pra quem ficou abaixo de 15mm acho que ajuda pouco, mas pra quem ficou entre 20mm e 30mm ajuda muito. Porém, não foi uma chuva boa e uniforme, mas ajuda. A chuva veio devagar, infiltrou bem, já é uma ajuda. O déficit de água em julho foi muito alto, essa chuva de 30mm melhora, mas ainda não recupera”, diz ao Notícias Agrícolas.

O pesquisador também explica que é importante que continue chovendo para de fato amenizar as condições do cafezal. “Por enquanto, com a evapotranspiração que temos, vai demorar 5 ou 7 dias. Ou seja, é uma pequena melhora, mas não resolve o problema”, diz. A preocupação é ainda maior no caso dos produtores que receberam chuvas de até 20 mm, mas não têm irrigação.

“Se tivermos um aumento das temperaturas, o que pode acontecer é uma floração parcial e essa floração em muitos locais, o botão floral pode desidratar, secar e perder. É um estado de alerta, não é possível dizer o que vai acontecer porque nós ainda dependeremos do microclima com fatores como temperatura e umidade”, afirma.

Safra 22 Cerrado Mineiro (9)
Safra da 22ª safra avança, mas preocupação com oferta continua no radar

Há mais de dois anos, o produtor de café vive a rotina de um clima bastante instável. As condições climáticas do La Niña favoreceram a estiagem prolongada e, no ano passado, a geada trouxe ainda mais problemas para o setor produtivo.

Patrocinadores

Com esse cenário já dois anos de safra quebrada e a expectativa, até então, do setor, é de início de recuperação no ano de 2023. Alysson, porém, afirma que a virada ainda acontecerá com muita preocupação.

“É uma preocupação total porque a safra de 2023, se fosse uma super safra – que já sabemos que não será, bastaria apenas para “preencher o buraco de 2021 e 2022”. no máximo uma safra média, a preocupação é total. E essa preocupação é muito maior na eminência dessa safra média se tornar uma safra baixa”, completa.

Lidando com o aumento de matéria-prima, o setor cafeeiro diz que o momento atual é muito tenso

A preocupação com a oferta, porém, não se restringe apenas a quem está em campo. Do outro lado da cadeia, sentindo também os impactos não só no clima, mas também na logística, o setor cafeeiro no Brasil segue alerta para uma oferta mais restrita de matéria-prima.

“A variável climática volta a assumir um cenário importante. Se não tivermos chuvas nos próximos 30 dias, o momento é tenso, principalmente no sul de Minas, então teremos uma queda significativa na safra de arábica e isso vai naturalmente empurrar o preço do conilon também”, diz Pavel Cardoso, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC).

Patrocinadores

É importante lembrar que com a queda do café arábica, o conilon passou a ser mais demandado no mercado interno, com a indústria brasileira aumentando a participação desse tipo de café no blend no mercado interno. Com uma safra que pode chegar a 23 milhões de sacas neste ano, a expectativa é que o conilon continue suprindo as necessidades desse mercado nos próximos dias.

Apesar disso, o cenário ainda é de mercado travado e com o produtor de conilon participando do mercado já que precisa levantar caixa e o atraso na entrada da safra brasileira também pode pesar novamente no setor industrial.

“Como o estoque de trânsito é menor que no ano passado, o setor sente uma retração do produtor de café e isso traz certa preocupação devido ao estoque de cada setor. diante de toda essa circunstância, é natural que ele seja retirado, à espera de melhores preços. agropecuária”, acrescenta.

Dados do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé) divulgados na última terça-feira (9) mostraram queda de 64,8% nas exportações de conilon em julho, em relação ao mesmo período do ano passado.

Patrocinadores

“Os fabricantes brasileiros de café torrado, moído e solúvel têm mantido forte demanda por canephora em seus blends e, não podemos esquecer que, apesar de uma ligeira melhora, ainda persistem entraves ao comércio marítimo mundial”, comenta o presidente da entidade, Günter Häusler .

Café 16:9

Histórico de alta de preços e consumo no Brasil

Com a queda do café arábica no ano passado e que se fará sentir de alguma forma na produção atual, no ano passado os preços da matéria-prima, ou seja, a saca de café cru, avançaram 130% e consequentemente chegaram ao consumidor final. Seis meses após o primeiro relatório da Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC), que indicava preocupação com a alta dos preços, os números atualizados mostravam que até o mês de maio o consumo de café se mantinha estável no mercado interno.

Os números da ABIC mostram que, apesar da crise que passou do campo para a xícara, o consumo de café no mercado interno se manteve firme. O Brasil encerrou o ano com consumo de 21,5 milhões de sacas, o que representou um aumento de 1,71%. Nesse período, o único alerta emitido oficialmente pela ABIC foi em dezembro de 2021, justamente quando os preços subiram 40% para o consumidor final. Na época, a ABIC registrou queda de aproximadamente 14%.



Source link

Patrocinadores
Patrocinadores

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *