Pecuarista reduz custo da silagem em 50% com uso de sorgo forrageiro

Destaques

Em substituição ao milho, no primeiro corte, produtor fez 75 toneladas de silagem por hectare, totalizando 240 toneladas nos 3,2 ha cultivados

Um pecuarista de Goiás resolveu apostar no uso do sorgo forrageiro para reduzir o custo com a silagem. O resultado foi promissor. Em substituição ao milho, no primeiro corte, em fevereiro de 2021, o produtor Marcelo Alves Ferreira fez 75 toneladas de silagem por hectare (ha), totalizando 240 toneladas nos 3,2 ha cultivados.

“Seguramente me custou a metade do que gastaria para produzir silagem de milho, por exemplo. A decisão, portanto, reduziu o custo de produção em aproximadamente 50% e me permite dormir tranquilo. Tenho comida para todo o período seco e até o final do ano”, garante Ferreira, dono da Fazenda e Haras MKF, em Pirenópolis (GO).

Com um rebanho leiteiro de 80 cabeças (de mamando a caducando) ele também comemora a maior resistência ao déficit hídrico no solo, adaptabilidade e capacidade de rebrota da variedade escolhida Sorgo Gigante Boliviano, em função de sua altura, que pode superar os cinco metros).

“O milho é muito exigente quanto à presença de água e adubação. Para eu conseguir produzir 50 t/ha de silagem com ele em condições de redução de disponibilidade hídrica, tenho de ser um expert e investir pelo menos o dobro. Com o sorgo, tenho ainda um segundo corte garantido, que devo fazer ao final de julho. Mesmo sem chuvas, devo somar pelo menos mais umas 80 toneladas. Essa é uma das propostas do Gigante”, conta o produtor.

Dieta eficiente com sorgo

O produtor de Pirenópolis começou a ofertar a silagem de sorgo para seus animais no final de maio. Ele entende que o material forrageiro não substitui os demais, mas consegue compor uma dieta de forma muito eficiente, de qualidade e com baixo custo. “Nessas primeiras semanas não posso me queixar de nada. A produtividade, a qualidade da massa ensilada e seu odor são bastante positivos.  Para elevar o nível de NDT, misturo um pouquinho de casquinha de soja ou mesmo de milho triturado. Isso dá um ‘up’ no volumoso”, garante.

A alternativa encontrada pelo produtor foi aplaudida pela zootecnista e mestranda em Ciência Animal na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Aryadne Rhoana Dias Chaves: “Tecnicamente a estratégia dele é muito interessante. A silagem de sorgo é um alimento que apresenta cerca de 95% dos nutrientes necessários para os ruminantes e este valor fantástico permite ao produtor a sua associação com outros ingredientes na busca de um resultado nutricional ainda melhor”.

Especificamente em relação aos dois insumos adicionados pelo produtor, a zootecnista observa: “A casca de soja é rica em pectina, carboidrato estrutural altamente digestível que fornecerá de forma mais ágil a energia proveniente do volumoso”. O mesmo, segundo ela, acontece com a digestibilidade do milho. Porém faz um alerta: “Há de se ter cautela em sua utilização, pois o carboidrato do cereal é o amido que, apesar de ser uma excelente fonte de energia, modifica drasticamente a microbiologia ruminal se fornecido em elevados teores. Recomendo sempre a orientação técnica de um profissional para a formulação da dieta”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *