SAIBA O MOMENTO CERTO DE FAZER O RODÍZIO DE PASTO DA SUA CRIAÇÃO!

Bovinocultura Bovinos Pastagem Pecuária Silagem
rodízio de pasto

6 minutos para ler

A forragem é uma fonte de alimento importante para a pecuária. Portanto, é preciso priorizar um bom manejo dos pastos nos sistemas de produção de gado de corte e leite para alcançar bons níveis de produtividade. Nesse sentido, o rodízio de pasto é uma técnica interessante que garante a nutrição adequada durante o ano todo.

Também conhecido como pastejo rotacionado, trata-se de um método que tem como base priorizar a sobrevivência da forrageira, alternando os períodos de ocupação do gado com períodos de descanso do pasto.

Só que, para que o sistema funcione e os recursos da fazenda sejam utilizados da melhor forma, é essencial saber a hora certa do rodízio; caso contrário, você não obtém os benefícios dessa prática. Mas qual será o momento ideal para entrada e saída dos animais dos piquetes? E é exatamente sobre isso que falaremos neste artigo. Continue conosco e saiba mais!

Por que o rodízio de pasto aumenta o sucesso na produção?

Existem muitas práticas na fazenda que elevam a produtividade e a eficiência econômica da pecuária. Porém, poucas interferem e impactam tanto os resultados quanto uma boa nutrição para gado leiteiro ou uma bem-elaborada estratégia nutricional para gado de corte. Isso porque é por meio da alimentação que os animais obtêm os nutrientes necessários para manter em pleno funcionamento as suas funções vitais e produzir mais e melhor.

A principal fonte de alimento dos rebanhos brasileiros é a forrageira, já que a grande maioria dos produtores nacionais cria o gado solto no campo. No entanto, quando há um manejo inadequado das pastagens, bem como dos animais, os recursos da propriedade são pouco aproveitados, e o pecuarista perde oportunidades de aumentar a sua rentabilidade em função disso.

O rodízio de pasto aumenta o sucesso da atividade justamente por levar em conta a produtividade do capim escolhido para o gado, isto é, considera-se o momento em que o pasto fornece mais nutrientes ao rebanho. Controlando a taxa de lotação em áreas predefinidas, é possível obter maior produção por hectare, sendo esse o maior benefício do método.

O êxito da técnica está na uniformidade e na eficiência do pastejo. Ou seja, a colheita da forrageira pelos animais é mais eficiente devido à uniformização do pasto e não ao aumento da produção de forragem em si.

Entre as vantagens do rodízio de pasto, podemos destacar as seguintes:

  • permite que a forrageira se recupere do pastejo e do pisoteio;
  • fornece alimento regular e nutritivo durante todo o ano;
  • aumenta o rendimento da forrageira por unidade de área;
  • distribui melhor os excrementos dos animais, adubando o solo;
  • reduz a degradação das pastagens, estendendo a longevidade do sistema;
  • conserva a fertilidade do solo;
  • permite o controle da quantidade e da qualidade do pasto;
  • ajuda no controle das plantas invasoras, pois o pasto tem melhores condições para se desenvolver.

Como identificar o momento certo de fazer o rodízio de pasto?

A grande questão é: qual é o momento ideal para fazer o rodízio do pasto? Quando entrar com o gado no piquete que estava em período de descanso e quando sair? O método requer que o pecuarista tenha um certo conhecimento empírico a respeito da forrageira, mas selecionamos algumas dicas para você. Veja só.

Verifique se a forrageira está na altura recomendada

O período para a ocupação do piquete varia conforme a espécie do capim; por isso, é altamente recomendado que você pesquise a altura indicada para o pasto da sua fazenda. Contudo, é fundamental conhecer a arquitetura da planta, bem como observar o campo e pensar no comportamento dos animais.

O gado prefere brotos e folhagens jovens, pois são mais macios. Portanto, as folhas mais velhas da planta não devem estar amareladas nem dobradas — quanto mais madura for a forrageira, mais fibrosa e menos nutritiva ela é.

Além disso, um capim muito alto não será consumido pelo gado, já que os bovinos não consomem pasto tombado. Então, no geral, quando o pasto estiver com um aspecto espetado, é hora de entrar com o gado no piquete para não comprometer a sua nutrição.

Use a régua de manejo de pastagens

Conhecendo muito bem as dificuldades dos produtores em quantificar a pastagem para o seu gado de forma que restassem folhas nas plantas para que elas rebrotassem, a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) desenvolveu uma ferramenta de auxílio. Trata-se da régua de manejo de pastagem, que indica a altura de entrada e a altura de saída do rebanho no piquete.

A régua tem as alturas dos capins mais utilizados no país e duas cores (verde e vermelha), para cada capim. O vermelho no inferior do instrumento indica que a altura de saída foi muito baixa, o que fará com que o pasto leve mais tempo a se recuperar. Já a faixa vermelha superior avisa que o pasto está envelhecendo e que os animais ganharão menos peso.

As faixas verdes são as que indicam a altura ideal para colocar o gado na área, ou seja, você vai maximizar o desempenho dos animais, mas garantirá a manutenção e a produtividade do pasto. A régua de manejo de pastagens também é extremamente útil para quem faz pastejo contínuo na propriedade.

Faça a medição da altura em diversos pontos

Mesmo uniformizando e adubando o campo e oferecendo pastagem jovem para o gado, é difícil prever como outros fatores vão interferir no crescimento da vegetação e na colheita pelos animais. Por isso, você deve verificar a altura do pasto em diversos pontos, abrangendo uma ampla amostragem do campo, já que as plantas se apresentam de forma irregular pelo piquete.

A uniformidade do pasto no rodízio também é alcançada com o manejo da taxa de lotação das áreas. A taxa que mantiver a forrageira a uma altura intermediária, entre a máxima e a mínima para ocupação, será a adequada.

Quais são as alturas recomendadas para cada pastagem?

As alturas recomendadas para cada capim variam conforme o desenvolvimento de cada espécie e os dias de descanso necessários para que se recuperem. De acordo com a Embrapa, as alturas em centímetros mais indicadas para o rodízio de pastagens nas seguintes variedades são:

  • capim-mombaça — entrada 85, saída 45;
  • capim-zuri — entrada 80, saída 40;
  • capim-tanzânia — entrada 70, saída 35;
  • capim-quênia — entrada 65, saída, 35;
  • capim-massai — entrada 55, saída 30;
  • capim-tamani — entrada 50, saída 25.

O pastejo rotacionado, ou rodízio de pasto, é uma excelente maneira de maximizar o uso dos recursos da fazenda sem degradar o solo nem perder forrageira em quantidade e qualidade. Ao permitir que a pastagem se recupere, é possível obter bons índices zootécnicos tanto na pecuária de corte quanto na leiteira.

Quer entender melhor como funciona esse sistema? Então, saiba agora o que é pastejo rotacionado e tire suas dúvidas sobre o assunto!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *